Domingo, 4 de Abril de 2010

Acontecer (no campo de margaridas amarelas)

 

 

Voltei. Corri com os pés ensanguentados pela saudade. Doíam-me os dedos. Que se desviavam na ansiedade de chegar primeiro. Ali, na euforia do Sol. O campo de margaridas amarelas. Sobreviventes na audácia de quebrar o alcatrão. Pelos meus olhos, demorou-se uma música que brotava da terra. Assim, em risonhas e quentes leiras que disputavam o Sol. Há locais que se alongam para além de nós. No recanto da minha pele, ouvi a o silêncio. E quis ser folha, pétala. Horto. Tanto que cobicei a raiz! E haste erguida na cruz dos montes. Água e pólen. E ser vento para de mansinho beijar o teu corpo. Mas um pranto chegou na aridez do caminho. Deter as tuas mãos nas minhas. Dizer-te que sim. Que não. E correr pelo teu colo como se fosse um campo de margaridas amarelas. Saciar a sede nos sorrisos disfarçados. Delirar a cada doce palavra com sabor a canela. Ouvir o grito, saber a voz.

 

Vesti o vestidinho de chita. Com florinhas amarelas e um lacinho na ponta. No olhar, coloquei o orgulho sorridente dos teus lábios. Na minha cabeça, senti a quente doçura dos teus dedos. Na pele, arrepios de vaidade. E escutei a música que vinha de ti. Fui na maré que corria na brutalidade da seca. E vi os candeeiros despojados do nada. Sem projectos para estrear. Capricho de quem tem luz o tempo inteiro. É domingo de Páscoa, mãe. Não inaugurei nenhum vestido novo. Deixei de gostar. Não fiz nada. Nem estreei os sapatos de verniz. Porque, no campo de margaridas amarelas, vi sombras magoadas nas terras enlameadas. E as lágrimas jaziam derrotadas até à raiz.

 

Voltei. Pelo trilho do Sol. Na teimosia do desalento. No vazio das palavras. Na míngua dos pacotes de amargo chocolate. Enquanto, o cardo elevava os olhos para o céu. E o vestidinho de chita se despia das floritas amarelas.



3 comentários:
De Jorge Soares a 5 de Abril de 2010 às 22:53
Olá


Lindo texto.. como a fotografias.. como a Primavera, que volta sempre...


Beijinho
Jorge


De Graça a 9 de Abril de 2010 às 21:54
No vazio das palavras, que preenchem sentires de saudade. Como escreves bem!




Beijo abraçado num sorriso.


De carlos gonçalves a 16 de Abril de 2010 às 10:50

Querida, passo por aqui muitas vezes para me encantar na maravilha da tua poesia, para me inspirar em ti...
Sabes, escreves palavras lindas, sentimentos profundos, que extasiam e perduram no meu espírito.
Gosto do teu sentir, um sentir magoado, inquieto, revejo-me em tantas palavras tuas, são estados de alma, por vezes são gritos...
Escreves pouco, gostava de ler-te mais!
Um beijo de muito carinho, em ti, no teu fim de semana.

Carlos 


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape "Douce l'éternité qui coule des fontaines/ Au printemps quand le vent dissipe les brouillards/ Douce la porte ouverte à l'ombre du grand chêne/ Et douce son odeur dans la soie d'un foulard."

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Locations of visitors to this page

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...