Domingo, 2 de Maio de 2010

Dar [raízes agarradas à terra]

Margaridas amarelas

 

 

 

Há no meu corpo uma fome desgrenhada. Que não percebo, mas compreendo, nas feridas da falta. E na aridez dos dedos procuro alimento. Lambo os restos. Na ausência do pão. Nos retratos que adornam a mesa. Inutilidade tamanha! Como se a minha fome se saciasse com desenhos… Aconchego-me na sombra do colo. E um perfume inunda o meu corpo. Chega-me o doce fervilhar do tomate num beijo que guardo no olhar. Na mesa estende-se uma toalha desenhada na trama da linha. À noitinha, no silêncio do coração em que me deito e me calo. E lambo o gosto que guardo na boca. Numa azeda e funesta fusão que experimentei pela manhã.

No resguardo deste dia, o pão, que agora como, não tem sabor. Falta-lhe o doce dos teus braços. Onde eu comia até ser dia. Outra vez. Enquanto o tacto se satisfazia na seda do teu sorriso. Numa experiência única para o paladar. E o olhar se perdia na imensidão do mar. Há nos meus olhos um pranto calado. E lágrimas que se amotinam pelas ruas, numa revolta de flores.

Hoje, não te ofereço flores de comprar. Daquelas que estão embaladas nas montras. Penduradas na pressa do dia. Essas, dizias tu, dão-se no fim. Deixo-te um beijo de margaridas amarelas. Que se erguem na fertilização da paisagem. Raízes agarradas à terra, mãe.

 


2 comentários:
De jabeiteslp a 2 de Maio de 2010 às 13:55

raizes agarradas à terra
mãe...



De Graça a 2 de Maio de 2010 às 14:54
___________ em silêncio. Porque sim!




O teu beijo de todos os dias, minha Amiga.


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape "Douce l'éternité qui coule des fontaines/ Au printemps quand le vent dissipe les brouillards/ Douce la porte ouverte à l'ombre du grand chêne/ Et douce son odeur dans la soie d'un foulard."

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Locations of visitors to this page

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


blogs SAPO

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...