Quarta-feira, 1 de Setembro de 2010

Retorno

 

 No corpo carregam as sobras do Verão, na tentiva estéril de se encostarem a elas. Num socorro duradoiro. Beijos e afagos desorientados. Ocorrências controladas. Medidas na excelência do Sol. No ar, ondula um odor a hesitação e uma vontade desmedida de voltar para trás. Longe da exaltação do regresso, há um retorno forçado. Passos desgarrados. Um papel. Dez cêntimos. Mais nada.   Nestas circunstâncias acesas, enrodilho-me na justeza do meu rio. E vou… no remanso das marés.

 

 


9 comentários:
De jabeiteslp a 1 de Setembro de 2010 às 20:48

olá

o melhor de uma noite pra ti
no embalo de um Rio calmo
acolhedor...



De Paola a 2 de Setembro de 2010 às 14:50
Olá, "anjinho". Um beijo para ti...


De jabeiteslp a 2 de Setembro de 2010 às 15:45
aleluia e,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,

dá um olhar
http://videos.sapo.pt/tfraAd8uCAzZwztdKcA7

a melhor das tardes
mas bem feliz...


De jabeiteslp a 2 de Setembro de 2010 às 15:48

aos 47 segundos...



De Paola a 2 de Setembro de 2010 às 17:54
Tanto verde... e fui. Bjo no verde que há em ti.


De jabeiteslp a 2 de Setembro de 2010 às 18:35

penso ser o Interior Raiano
que nos faz assim...

Beijinhos Paula

 


De jabeiteslp a 2 de Setembro de 2010 às 16:24

irra que meti os pés ao responder
a mim próprio....

AOS 47 segundos

http://videos.sapo.pt/tfraAd8uCAzZwztdKcA7

feliz tarde


De Jorge Soares a 1 de Setembro de 2010 às 22:37
É sempre bom voltar.. às nossas coisas, ao que vivemos, ao que sonhamos viver.. a nós.


Beijinho
Jorge


De Paola a 2 de Setembro de 2010 às 14:52
Pois é, Jorge. Andei por lá... numa encruzilhada de passos e vozes. Tantos rostos que já fugiram... Beijo. amigo. Ah, jantei na "nossa" terra!!!! Sardinhas, clarrrrro!!!!


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape "Douce l'éternité qui coule des fontaines/ Au printemps quand le vent dissipe les brouillards/ Douce la porte ouverte à l'ombre du grand chêne/ Et douce son odeur dans la soie d'un foulard."

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Locations of visitors to this page

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...