Terça-feira, 1 de Novembro de 2011

o caso das portas fechadas [no delírio da manhã]

[Fotografia de Jorge Soares] [Fotografia de Jorge Soares]

O bom da manhã, mesmo que borralheira e a espreguiçar-se pelos telhados frescos e calados, está no jeito com que olho para o sol. Não o vejo da minha janela, mas sei que está lá. É por isso que no meu corpo sobrevive o doce e quente aconchego da minha íntima certeza.

O sol entrou no quarto, como se a porta permanecesse amplamente escancarada e eu tivesse dito que sim. E viveu alongado num tapete de verdade, multiplicando-se na luz. Até a chuva chegar. E choveu uma chuva pequenina que permanecia como se o baile fosse ali. O vento desconcertava-se no aperto das mãos como se a concertina fosse eu. As vozes expunham alaridos desproporcionados sentadas na ombreia da porta. Como se tivessem engolido pedaços se sol que lhes incendiava o alvoroço. Numa dição quase que imperfeita. As ruas tinham mudado e a alegria já não cabia nos passeios. As tabernas, agora de portas fechadas, já não negociavam vinho. Quebraram-se os jarros, desagregaram-se as asas. Sobre o balcão de mármore malhado e encardido, jaziam, desamparados, meia dúzia de copos de barro. No outro lado da rua, as portas entupiam-se ao ritmo do silêncio. E fechavam assustadas com a ausência da música. Já não havia vinho, nem vinhas, nem uvas. E as vozes exclamavam que a culpa era de Baco. Que ao provar o rubro líquido se deslumbrou com tantos atributos. Delírio da mulher que corria pela estrada e que não compreendia tamanha arrumação. Desconhecia a razão de tantas portas fechadas.  Estranhava que o divino deus fosse a causa do fecho das tascas. Garantia que não fora ele que partira os copos. Irritada, olhou para mim e exigiu que lhe explicasse o que lhe tinha acontecido. Sei lá!!! Eu apenas sabia que já não havia música nos beirais, nem vinho, nem uvas, nem bêbedos felizes.


2 comentários:
De jabeiteslp a 1 de Novembro de 2011 às 14:19
"nem uvas nem bêbedos felizes.."

como vais tu ?


sei que será um dia triste
mas mesmo assim arrisco

Viva a alegria...

beijinho


De Paola a 1 de Novembro de 2011 às 14:27
Estamos bem! Beijinho.


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape "Douce l'éternité qui coule des fontaines/ Au printemps quand le vent dissipe les brouillards/ Douce la porte ouverte à l'ombre du grand chêne/ Et douce son odeur dans la soie d'un foulard."

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Locations of visitors to this page

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...