Quinta-feira, 25 de Abril de 2013

memórias[quando as ervas rasgavam o chão]

 

 

 

Nada vos direi sobre o voo dos pássaros à volta dos figos. Dos pardais e dos piscos empoleirados na figueira na disputa dos frutos. Calarei a correria na direção das cerejeiras que perfumavam o vale. Não, nada. Não se fala de um rio que corre em espontâneas e contentes marés de azul. Em abraços hesitantes, calados, preservados nos ninhos das garças. Nem dos gritos das gaivotas e muito menos das cegonhas. Nem afirmarei que vi os ninhos cuidadosamente erguidos na torre da igreja. Vou calar a melodia que os sinos tocavam à tardinha. Nada direi das papoilas que rasgavam o chão na louca exuberância do vermelho. Do beijo que caiu.Não pronunciarei uma palavra sobre as mãos dela. Não vos mostrarei o sorriso que plantava nos vasos.Nem vos mostrarei as rendas que decoram as toalhas de rosto. Não vos maçarei com passados que escorregam ao meu lado, nem do alecrim que chora nos meus olhos.  Numa doce e amena brisa que me beija a pele. Nada vos direi. Nada. Porque não vos posso dizer que acordei com uma inexplicável vontade de ver. Estender os olhos pelo chão. Ir para lá e entoar versos coloridos e cintilantes. Até às raízes. Apanhar os cacos. Agarrar o corpo e saborear a alma. Ignorar a forma e pintá-los de azul. Na organização das marés. Na certeza que as minhas memórias não são de ninguém. Sou eu que lhes concedo a cadência do uso. Nada direi. Na desordem do tempo.



2 comentários:
De pimentaeouro a 19 de Maio de 2013 às 00:41
Quando a inspiração chega é assim.
Gostei.
Cumprimentos.


De Paola a 19 de Maio de 2013 às 09:41
Sabe bem recordar os silêncios dos pássaros... Obrigada.


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape "Douce l'éternité qui coule des fontaines/ Au printemps quand le vent dissipe les brouillards/ Douce la porte ouverte à l'ombre du grand chêne/ Et douce son odeur dans la soie d'un foulard."

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Locations of visitors to this page

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


blogs SAPO

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...