Quarta-feira, 29 de Abril de 2009

partir

raios partam isto tudo!

preciso de desabafar...

 

 

 

Hoje, sou eu na plenitude de mim. Sem efabulações, na mais inteira verdade. Assanhada. Desapontada. Impotente. Espoliada. A história, que vos que contar, diz-se em poucas palavras.

 

Chegou o dia da consulta de ortopedia que, confesso, aguardava com alguma ansiedade. Aguardei mansamente cerca de três horas… Ouvi o meu nome… fui. O médico perguntou-me o motivo da minha presença… lembrei que tinha fracturado o escafóide… pois e tal… é preciso fazer RX… tome lá a requisição… vá lá acima… Perguntei-lhe se podia deixar o casaco e a pasta no consultório, ele respondeu que sim, que fosse depressa. Eu fui…

 

Radiografia na mão, aí venho eu escadas a baixo com a expectativa na ponta dos pés. Já na sala que de acesso ao consultório, relatei à enfermeira o que andara a fazer. Pedi-lhe que informasse o senhor doutor ortopediata que eu já tinha o RX…

 

Tombei fuzilada de espanto na cadeira mais próxima… O homem acabara o turno, enquanto me radiografavam a mão!! E como um ortopedista, que até é um homem, tem mais que fazer na vida do que aturar ossos estupidamente quebrados… foi-se embora.

 

Assim. Sem deixar rasto, incomunicável. Todos o procuraram. Todos ouviram o meu protesto. Excepto ele que terminara o turno… E foi assim que, pela primeira vez na minha vida, tive uma meia consulta e uma meia radiografia, sem relatório, que nenhum médico viu, nem quis ver… por questões de ética.

 

O senhor assina como médico ortopedista… de nome Doutor António Nunes Godinho. E ali mesmo, num hospital público deste país, que ele  me ensinou o que é falta de profissionalismo. De ética. De atenção pelo doente. De respeito pelo contribuinte. De consideração pelo país. O senhor doutor, fiquei a saber que será  candidato a Presidente da Assembleia Municipal de Azambuja, com o bandulho farto de pressa íntima, deixou o trabalho a meio… E que importância tem, se ganha o mesmo? Irra! Só posso estar a ver mal a coisa. Afinal amanhã é véspera de um longo fim de semana…

 

O homem não me conhece de lado nenhum. E diga-se, nem foi ele que partiu o meu destroçado escafóide… Só que não sei que fazer com uma meia consulta, uma meia radiografia, um meio médico e uma tarde inteirinha perdida no hospital… Nem responder aos meus filhos quando me sujeitarem ao interrogatório do tipo " O que disse o médico?". Não vão perceber que o desgraçado se calou... e eu não vou ser capaz de explicar...

 

(fotografia da Internet)

 

 


8 comentários:
De Jorge Soares a 30 de Abril de 2009 às 09:13
Amiga.... e tu pediste o livro amarelo? o que fez esse senhor não tem nome....

Quando pedimos o livro de reclamações para reclamar de um medico, a reclamação vai sempre para a ordem dos médicos e este tem que se explicar.

Ha coisas que não tem nome.

Jorge


De Paola a 30 de Abril de 2009 às 18:08
... e isso também me enfureceu! Depois de tanto falar no livro, de o pedir... acabei por não o fazer.... Estúpida!!!!!


Beijinhos


De jabeiteslp a 30 de Abril de 2009 às 16:42

livro de reclamações
porque não ?
felizmente aqui não temos problemas similares...

beijinhos
um bom e feliz fim de semana



De Paola a 30 de Abril de 2009 às 18:08
tens razão! Isto é mesmo uma treta. Quando somos nós os "actores" perde-se discernimento...

Beijinhos


De jabeiteslp a 30 de Abril de 2009 às 20:46

e é sempre chato
alem das dor de cabeça que daí adveem...

um bom e grande fim de semana
beijo


De Paola a 30 de Abril de 2009 às 20:50
Bom fim de semana

Beijo


De GMV a 30 de Abril de 2009 às 17:55
Tenho uma amigo que passa a vida a dizer "este é o país que temos!"... e a fase irrita-me, como me irritou o médico que não te viu a asa! E concordo com o Jorge... para isso ele existe, o livro, o amarelo.

Minha amiga, um beijo enorme para ti


De Paola a 30 de Abril de 2009 às 18:13
Mas é verdade. É este o país que temos... e este médico agiu de acordo com a situação. E agora não sei que fazer à minha asinha...

Estou mais aliviada... Enviei relatório [já tenho prática!!!] para a OM e para o H... E nunca mais quero ver aquele tipo à frente... Ele que vá lá fazer campanha para o raio que o parta.... já que a mim foi o chão que partiu o meu escafóide...

Beijo abraçado, minha amiga


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape "Douce l'éternité qui coule des fontaines/ Au printemps quand le vent dissipe les brouillards/ Douce la porte ouverte à l'ombre du grand chêne/ Et douce son odeur dans la soie d'un foulard."

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Locations of visitors to this page

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


blogs SAPO

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...