Quarta-feira, 13 de Maio de 2009

despintar

[Passeios ao domingo]

 

 

 

Aos domingos, dava passeios pela avenida principal. Alindava-se para os ver passar, invejando-lhes a agilidade. Até a ganância do primeiro beijo. Beijo doce. Salgado. Perfumado com odores de laranja. A turbulência das mãos na brandura do olhar. Mãos de seda que buscavam o Sol, nas vísceras do tempo. Na impermanência do querer.

 

Do lado de cima, tudo lhe parecia muito do mesmo. Na monotonia dos gestos. Na incontinência dos compromissos. Nos zunidos distantes da música. Do lado das raízes, nada se rebanhava na semelhança repetida aos domingos à tarde, na calçada. Tão diferente do lado de lá!

 

Já conhecia os seus passeios. Em tempos, contara-lhes as pedras, distinguindo as brancas das pretas. Mas havia as cinzentas. Turvas. Turbulentas e indecentemente indecisas. Embriagadas. Dessas, nunca entendera a cor.

 

fotografia de Jorge Soares

 

 


9 comentários:
De Jorge Soares a 14 de Maio de 2009 às 00:22
Há alturas na vida para tudo... até para contar as pedras da calçada, e para as fazer cúmplices de de fugidios beijos..

Era tão bom que a vida fosse sempre a preto e branco....sem tons de cinzento....

Beijinho

Jorge


De Paola a 14 de Maio de 2009 às 00:26
Se era...sem cinzentos indecisos... sem cores mentirosas... Se era!!

Beijinhos


De Graça a 14 de Maio de 2009 às 01:04
"Na impermanência do querer"... há sempre algo na tua escrita que acende a minha memória.

E como estava a ouvir os Xutos, deixo-te umas palavras de uma das músicas, olha... porque achei que sim: e essa pedra que já foi livre, hoje é da calçada...


Beijos meus, nocturnos, pois claro


De Paola a 14 de Maio de 2009 às 17:44
... porque há vidas com traços cinzentos. Pedras que não deixam ver a cor...

Beijo abraçado.


De jabeiteslp a 14 de Maio de 2009 às 17:04

contar aquelas pedras todas
é obra
nas cores de uma vida que se desdobra...

jocase da Covilhã


De Paola a 14 de Maio de 2009 às 17:46
... e não subimos e descemos a calçada? E é por tanto o fazer que lhe conhecemos as pedras.

Beijinhos


De jabeiteslp a 14 de Maio de 2009 às 17:50

eu não
que depois ainda fico
com o pescoço esquisito...

brinco


De Paola a 14 de Maio de 2009 às 18:00
Pois é. A vida é, por vezes, um torcicolo continuado...

Beijinhos


De jabeiteslp a 14 de Maio de 2009 às 18:03
amaldiçoado...

beijinhos


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape "Douce l'éternité qui coule des fontaines/ Au printemps quand le vent dissipe les brouillards/ Douce la porte ouverte à l'ombre du grand chêne/ Et douce son odeur dans la soie d'un foulard."

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Locations of visitors to this page

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...