Sábado, 6 de Junho de 2009

Amaldiçoar [as alturas que isto fez assim]

 

 fotografia de Jorge Soares
 (editada por mim...)
 
 
 
 
e a menina sentou-se ali. Na desventura que lhe encarquilhava o olhar. Que lhe chicoteava o sono. Mas estava na reverência do dever.
 
e a menina escreveu que o pior dia da sua vida [que vida tão pequenina] fora no dia em que começara a crescer. Só porque lhe acrescentaram o entender.
 

e a menina amaldiçoava o dia. Tanto! Que tanto lhe parecia tão pouco. E continuou a escrever. Uma história de assustar. Com ébrias figuras. Com assaltos ao dormir. Com cardos a germinar pelas assustadas paredes do quarto. De noite… até ser dia de começar a escrever… sobre uma abelha-flor que lhe aferroava o crescer.

 

... e a menina ainda não sabia dizer que uma rosa era uma flor. Que das alturas descia. Sem espinhos. Com pétalas da cor do sono. Dos sonhos. De menina...

 

 


8 comentários:
De umbreveolhar a 7 de Junho de 2009 às 08:45
Olá minha amiga Paola,
Um texto que prende a atenção do princípio ao fim. Gostei. Espero que a menina tenha mais sorte, e que venha a saber dizer que uma rosa é uma flor... E que no Mundo ela tem um lugar tão digno e merecido como as pessoas que são felizes.
Um texto lindo com grande sentimento e ternura.
Cumprimentos do amigo,
Carlos Alberto


De Paola a 7 de Junho de 2009 às 10:57
A "menina", amigo, sabe o que são rosas... mas só lhe vê os "espinhos"... Infelizmente, há muitas assim...

Bom domingo.
Beijinhos


De Anónimo reticências a 7 de Junho de 2009 às 14:40
É... Não entender, ser criança para sempre ... Para sempre saber dizer as flores...

Lindo!


De Paola a 7 de Junho de 2009 às 15:03
... ou não poder ser criança...

Bom domingo
Obrigada.


De Graça a 7 de Junho de 2009 às 21:34
Belo este texto... de tantas meninas e meninos que ainda não sonharam... nem viram a beleza da rosa! Só espinhos... talvez... e como é difícil crescer assim...

[hoje, murcha, a rosa, como se sabe... porque há adultos que também têm de aprender outras coisas :)]


Beijos meus, da cor que sabes.


De Paola a 7 de Junho de 2009 às 21:40
Esta menina, minha amiga, tu sabes onde a li...

A rosa vestiu-se de seda para esconder os espinhos... Começa a ser descoberta a ilusão...

Beijo abraçado. E mais aliviado...


De umbreveolhar a 8 de Junho de 2009 às 12:44
É com muito gosto que te informo que tens no meu blog uma surpresa para ti e estou certo que vais gostar.

Cumprimentos,
Carlos Alberto Borges


De Paola a 8 de Junho de 2009 às 17:59
Claro que gostei. De mais um miminho.

Vai para a Sala de Mimos e Afectos.

Obrigada, amigo.

Beijinhos


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape "Douce l'éternité qui coule des fontaines/ Au printemps quand le vent dissipe les brouillards/ Douce la porte ouverte à l'ombre du grand chêne/ Et douce son odeur dans la soie d'un foulard."

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Locations of visitors to this page

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...