Segunda-feira, 8 de Junho de 2009

Arder [entre o vermelho e o verde do fogo da pele]

 

fotografia de Jorge Soares
 
 
 
Das ervas desejaram o Sol. Na avidez do mais. Na renúncia do nada. Famintos, exultaram sedes insaciadas e beberam tragos de prazeres camponeses. E os corpos atreveram-se a querer. Cobertos de papoilas, na maleabilidade do vermelho. Ébrios, elevaram as taças do ópio e saudaram o infinito. Devolveram os beijos num ímpeto de raiva. Entregaram os corpos num enleio profundo. Tocaram-se com estremecimentos acetinados, bordados com mãos de alecrim. Perdidamente, no prado com cheiro profanado. No beco onde os poetas seduzem as palavras. Enfeitiçam os versos e o vento se põe a bailar. A brisa corria na tranquilidade da utopia, num trilho de silêncios mordidos. Só as papoilas ousavam entoar maviosidades carminas. Eles consumiram-se e voaram. Na sinestesia das colinas que ladeavam o vale.
 
As asas atearam-se no vermelho quente do Sol. Tão quente! Quiseram, um dia, escalar o Céu. Experimentar voos proibidos. Quentes, mais quentes. Sempre no vermelho dos corpos esfomeados. Sangrentos. Mas as asas não suportaram a subida… e esmoreceram num chão de papoilas. Na desobediência de um sinal vermelho. Que disseram verde no delírio da transgressão. No prado… à beira da voragem da vida. Ali, onde as rugas que vincam as asas sorvem  os alucinantes licores das papoilas. Na demanda da cura.
 

5 comentários:
De umbreveolhar a 9 de Junho de 2009 às 03:34
Aceitei a proposta da Susana do blog: www.aldeiadaminhavida.blogspot.com, tendo hoje publicado o post sobre A ALDEIA DA MINHA VIDA, de cujo concurso depende a votação das Amigas e Amigos, por isso não estando em " campanha eleitoral", solicitava a V/ colaboração, conforme regulamento abaixo mencionado.
Obrigado e cumprimentos do amigo,
Carlos Alberto Borges


Prémio Blogagem Colectiva "Aldeia da minha vida":

O texto (e imagens , slides ou filmes anexados) mais votado pelo júri* e pelos leitores deste blogue ganha um fantástico fim-de semana para duas pessoas na Pousada de Monsanto **.

Os textos de todos os participantes serão postados no dia 10 de Junho neste blogue.

Será aberta a votação a todos os leitores, entre 10 e 28 de Junho. Para votar basta deixar um comentário no texto preferido, devidamente identificado, juntamente com o respectivo e-mail*** , para quem não tenha blogue. Os resultados serão publicados neste blogue no dia 30 de Junho.

A avaliação dos textos terá em conta os seguintes critérios:

- Os textos deverão ser originais, com limite máximo de uma página A4;

- Deverá ser anexada de uma até 3 fotografias ,ou de 1 conjunto de slides ou de 1 filme originais;

- Indicar a localização da aldeia : Freguesia, Concelho e Distrito;



A avaliação dos leitores terá um peso de 49% e a do Júri de 51% e incidirá sobre o conjunto - texto e imagens ou outro(slides, filme) originais.








Veja a lista dos participantes no blogue gémeo: www.aldeiadaminhavida.blogspot.com.



De Graça a 10 de Junho de 2009 às 00:32
Sabes???? Este teu texto está assim... tipo... magnífico!

Um sinestesia de palavras... num estilo que eu gosto muito. E a foto? Bem, a foto foi o motor de arranque...


Um beijo imenso para ti... mais logo, vou ver as minhas flores... e depois te direi tudo, óbvio!


De Paola a 10 de Junho de 2009 às 09:35
Sabes???? Eu espero assim... tipo... não sei explicar... por ti! Para que me contes tudo.

Beijo abraçado, amiga.


De jabeiteslp a 11 de Junho de 2009 às 14:38

belas pétalas de papoila
assim de fragilidade
na sua enormidade
de cores
e rios de palavras tuas em tantas
sempre mais coração nas tuas flores...

é bonito o teu jardim..

beijinho e boa semana


De Paola a 11 de Junho de 2009 às 16:39
É no "meu jardim" que estão as "minhas flores"... De vez em quando, vou lá...

Beijinho, amigo.


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape "Douce l'éternité qui coule des fontaines/ Au printemps quand le vent dissipe les brouillards/ Douce la porte ouverte à l'ombre du grand chêne/ Et douce son odeur dans la soie d'un foulard."

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Locations of visitors to this page

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...