Quinta-feira, 23 de Julho de 2009

rezar ilusões [tanto no céu como no mar]

 

No céu, as nuvens acontecem debruadas com orlas de azul… e recolhem, no ninho do seu afecto, sonhos atirados para o ar. No mar, as mulheres espalham rezas avivadas com marés de esperança … e serenam, no colo da sua fé, vendavais da sua pele molhada…

Em terra, eu adormeço na amálgama do mar e do céu … e choro por não lhes conseguir tocar… na perplexidade de tanto marear.

 

 

 


7 comentários:
De jabeiteslp a 24 de Julho de 2009 às 22:12

 
doçuras de um mar sempre encantado
nunca magoado

só que o final desassossega-me
nada de dormir junto a esse mar
porque senão
vais apanhar um escaldão...

tu vê lá..

beijinho e bom fim d semana


De Paola a 24 de Julho de 2009 às 22:16
... não durmo não... mesmo assim, o azul confude-se... e eu não sei para onde vão os meus sonhos... se para o mar, se para o céu...

beijinhos


De jabeiteslp a 24 de Julho de 2009 às 22:23

não esjas assim
e desejo que os teus sonhos sejam bons
os meus
são de terror
será futuro ou uma vertente  ?
vale-me a prática de muitos anos ao reagir
acordar
és capaz de acreditar ?

bons sonhos
joca


De Paola a 24 de Julho de 2009 às 22:28
Ai, amigo! Os meus não são assim... até são clarinhos... Tens que ir ver o mar... e deixá-lo voar...


Beijinhos


De jabeiteslp a 24 de Julho de 2009 às 22:43

vou tentar

beijinhos


De Rosa Maria a 26 de Julho de 2009 às 03:54
no ceu no mar e na terra ...... em nós ...que somos pertença do universo!


De Paola a 26 de Julho de 2009 às 10:56
... e ali, entre tanto azul... sinto-me tão pequenina...

Bom domingo, amiga.

Beijinho.


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape "Douce l'éternité qui coule des fontaines/ Au printemps quand le vent dissipe les brouillards/ Douce la porte ouverte à l'ombre du grand chêne/ Et douce son odeur dans la soie d'un foulard."

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Locations of visitors to this page

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


blogs SAPO

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...