Terça-feira, 21 de Julho de 2015

Gola de laço

 

- Tens joanetes?
- Hum?
- Inflamação óssea do dedo grande do pé… calos… dores…
- Tenho! Tu sabes que tenho… No corpo todo. Na alma. Se calhar usei vestidos apertados. Desadequados. Ou saias. Talvez calças… As blusas às bolinhas. Lembras-te? Aquela que tinha uma gola que terminava num enorme laço. Tu gostavas. Ensinavas-me a dar os nós. A desfazê-los. Outras vezes a destruí-los. Fazíamos isso juntos. Tantas vezes. Depois prendíamos as nossas mãos em gestos lassos. Para terminar num beijo demolido. Agora não sei de ti. Desconhecemo-nos. Estranhamos os nossos olhos. Deixei de usar camisas com golas de laço. Nem uso sapatos aguçados. Porque me dói a alma. O corpo. A tarde que proibimos que entardecesse. Tenho! Tenho joanetes.

 


Sábado, 23 de Maio de 2009

Sonhar [acordei cedo.muito.tanto]

 

Sonhei na quietude do meu sono. Acendi a luz, para o olhar nos olhos. Envolvê-lo nos meus braços desnudados. Ri. Tanto. Tanto. Muito. As gargalhadas rebolaram pelo chão do desfalecimento, redizendo estouros da insana ambição. Naquele instante, percebi que as minhas mãos desapareceram… e arrependi-me de ter acordado sem vontade de acordar. Só o queria ter… Abraçar os seus pés e caminhar neles.

 

Agora, apenas me recordo de metade. De quase pouco. Lembro-me de tudo. Tanto. Tanto. Muito. E no leito do meu rio, as ondas desarranjam-se em soluços remexidos. Aqui. Lá longe. Na claridade do Céu. Azul.

 

Que ave foi aquela... cúmplice, carinhosa, companheira, espontânea... que adoçado trinado motivou a cobiça dos ventos e afrontou os trovões? Que ave foi aquela que não ultimou, no seu sono, o sonho que esvoaçou? Aquela foi a ave que o meu sono acordou… e que em tempos discursou sobre a fragilidade das multidões.Tudo passa.Tudo passa. Tudo passa... Aquela foi a ave que o meu ombro serenou..

 

(fotografia de Paulo Santos)

 

 


Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape "Douce l'éternité qui coule des fontaines/ Au printemps quand le vent dissipe les brouillards/ Douce la porte ouverte à l'ombre du grand chêne/ Et douce son odeur dans la soie d'un foulard."

pontos recentes

Gola de laço

Sonhar [acordei cedo.muit...

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Locations of visitors to this page

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


blogs SAPO

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...