Quinta-feira, 31 de Dezembro de 2009

Prescindir [E o rio era azul. Com juncos de Sol]

 

Jorge Soares

 

 

 

Vitória saiu cedo. Agastada com os sapatos que lhe arreliavam os pés e com o nome. Que a exasperava tanto. Senhora de notável porte. A pele exibia o esmero, embora as mãos denunciassem a idade que lhe dava uma tranquilidade construída. Nunca percebera a teimosia da mãe. Nem o conluio do pai lhe fora decifrado. Havia coisas que eram assim. Tal como a família. Eram. Tinham. Isso bastava-lhes. O seu corpo não cabia naquela saga familiar. Há muito que perdera a juventude. Gabava-se de não precisar dela. Agora corria com maior cuidado. Na convicção das passadas. Como o rio. Como a ponte. E o céu. Ela olhava. De longe não se distinguiam. Ao perto ignoravam-se. Apesar do abraço tão profundo. Não havia céu… Ela sorria. Estendia-se numa plácida horizontalidade cinzenta. Vitória, que queria ser Vita, perdia-se num olhar inquieto. Só que não via. Espreitava no silêncio arrecadado do dia. Chovia. Vitória via. O despropósito das formas. A extraordinária história do jogo de futebol. O desconforto das vozes. Contorcia-se no prazer da concertina. E dançava, dançava. O rio atapetava-se no delírio do cinzento. As gaivotas serpenteavam berros indefinidos.

 

A cómoda encostada à parede da casa de entrada. O prato na parede. Daqueles que persistem em durar nos remendos grampados para homenagear a família. Na respeitável promiscuidade do tempo. Na travessa, as laranjas exaltavam-se no sumo do pomar. Vitória penetrou no estuário do cinzento. Virou a página. Um suspiro desfez-se na mansidão do azul. E o rio era tão azul. Com juncos de sol. Vitória preparou-se a preceito. O vestidinho cor-de-rosa com mangas de balão. Desbotado. Esquecido. Dividiu as partes. Estruturou os capítulos. E assumiu-se como personagem principal. Expulsou os figurantes. Os adereços e rasgou o tempo. Não prescindiu do espaço. Uma cozinha arejada. Uma mesa necessariamente grande. Três alguidares de barro cobriam-se com o branco com que teceram os panos. A massa repousava e crescia. As vozes também fermentavam alegrias e beijos que se movimentavam na circularidade do gesto. Do entusiasmo que esmurrava a massa. Da ternura que se alongava na mesa. No delicado recorte da carretilha de madeira.

 

O nevoeiro resfriava a manhã. A chuva molhava-se no chão. Em cada pinga, Vitória ouvia uma cantiga. E o sabor agarrava-se ao seu coração. Vita olhou serenamente para o rio. Seguiu pela ponte. E foi até lá. No desleixo do cinzento. Conhecia o caminho pelo cheiro. Mas não precindiu de voar.

 

 

 


Escrito por Paola às 18:31
Link do post | Adicionar aos favoritos
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...