Terça-feira, 29 de Abril de 2008

da educação - a teoria do post

Porque me apetece. Vou postar à educação. Postar é uma palavra que tem piada. Sou avessa a anglicismos e tantos que eles são. Todavia a este neologismo, a este empréstimo informático, confesso que acho imensa piada. Não piada que me faça chorar rir, como me acontece quando o meu rir vem de dentro, mas graça. Só graça. Postava a própria, a Graça, que postar relaciona-se com a posição, vertical - creio - relativa a um poste. Encostada ao dito. Porém, também ocupar um posto - e o meu é mesmo de professora; também pôr-se de vigia - e eu estou atenta ao meu trabalho; também ter um posto - e eu sou responsável pelo meu; também permanecer num lugar muito tempo - e eu já cá ando há uns anitos. Para mim, postar cheira-me a peixe-espada grelhado no carvão num fim de tarde à beira-mar. São postas que se cortam a um ser alongado, brilhante e prateado. Ou preto. Mais gordo, mais suculento. Postar é, portanto, cortar o peixe às postas, muitas postas. Ou Posts... Cada pedaço, cada naco uma posta. Assim sendo, postar é colocar um post. Post-it? Aqueles irritantes papelitos amarelos, agora de todas as cores? Antes, um post scriptum numa carta que enviámos para a terra? Há quem tenha, eu não. Post mortem? Ainda é cedo. Post meridiem? Já é tarde! Há muito que foi meio-dia.
Fico-me pelas postas. Postar é escrever às postas. Cada post é uma. Por vezes são frescas, outras excessivas, talvez congeladas, porventura escassas, quem sabe se desnecessárias... Depende de quem come. Eu cá vou continuar a postar... com gostinho a peixe-espada assado no carvão. Com educação!


____________________________________________________________ Educação e vida

_____________________________________________________________ Um hino à (des)educação

______________________________________________________________ Cópia dos pais

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

Gostaria de saber se vcs mandar mudas de margarida...
A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Em destaque no SAPO Blogs
pub