Quarta-feira, 7 de Maio de 2008

murchar

Daqui
 
sobre margaridas marelas [protecção da espécie]
 
 
Voltei ao local do crime. Mandam as regras. Cumpra-se a etiqueta. Uma nuvem de malmequeres amarelos cobria o chão... tal como no outro dia. Tive a sensação que se cumprira ali o milagre da multiplicação.

Naquela imensidão amarela vi umas quantas papoilas. De imediato percebi... elas eram a raiva, o sangue, a revolta do meu gesto impensado. Eram a alma das margaridas roubadas à vida. Vexame! Senti-me insultada... por uma flor, por uma papoila! E as papoilas são vermelhas... Senti-me feliz por entender que a defesa das espécies em risco estava naquele vermelho dito raiva. Irmanadas na dor do lince ibérico, da cegonha, do sável, da lampreia, da cegonha, do azevinho, do carvalho ... Como elas se protegem! Que insanidade, a minha! Apanhar margaridas amarelas...

Nos olhinhos das margaridas brancas descortinei troça, piedade... Naqueles olhos amarelos, vi complacência tingida de sobranceria - Coitada, não sabe o que fez!

Uma delas, mais irreverente e agitada, talvez pelo vento que acabara de chegar, exclamou com arrogância :

- Deixa lá, são selvagens! E amarelas...

Mirei-a de alto a baixo. Medi a pequenez e a fragilidade do seu caule e respondi:

- Não percebes nada de ecologia. Estúpida!


Page copy protected against web site content infringement by Copyscape Fotografia? É daqui!

Estou: Admirada!

2 comentários:
De GMV a 7 de Maio de 2008 às 21:53

Mais um post lindo, sobre as espécies desprotegidas. Qualquer dia postarás a nós, esta espécie quase em vias de extinção de professoras magníficas, motivadas, empreendedoras, activas e bloguistas.
Bjs gds


De Paola a 7 de Maio de 2008 às 23:51
Qualquer dia... Outrora fui tudo isso, excepto bloguista...

bigada
bjo


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

Gostaria de saber se vcs mandar mudas de margarida...
A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Em destaque no SAPO Blogs
pub