Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ponto de admiração

ponto de admiração

24
Set09

reler [longe do beco dos postigos amarelos]

Paola
 

fotografia de Jorge Soares

 

Meia noite de vento expressivo. Uma madrugada de chuvamiudinha. Eloquente. Memórias de um poema que se escrevia na ausência das suas mãos. Na paginação de um sono reescrito nas páginas ímpares. De uma noite assustada.

 

 

O Sol entrava aceso pela janela. Quieto. Seguro. Afastava os cortinados acetinados. Castanhos. Da cor do chocolate. Doce. Com o mesmo sabor a laranja que conhecia das mãos da avó. Entrava na cautela da perturbação. Generosamente. E pulou para um quarto amplo. Livre e com a frescura das laranjeiras que sabia de cor. Desde a infância. Havia aquela, ali, mesmo junto à figueira de figos amarelos. Debicados pelos pássaros que se atreviam a voar tão alto. O quarto suculento erguia-se no orgulho da antiguidade. Uma narrativa extensa. Uma saga de gerações com nome. Os outros desmoronaram no branco das paredes. Sumidos pelas frechas matreiras das portas que o fluxo dos dias aparelhava. Uma cama de ferro. As gavetas com incrustações de pau-preto numa cómoda, ao fundo. Puxadores de lágrimas. Os tapetes lambiam o chão que flutuava na berma da saudade. O candeeiro caía do tecto. Desfazia-se na dávida da iluminação. Branca e transparente. E ela espreguiçava tristezas amotinadas na teimosia. O sol ardia no desassossego da hora. Sem saber se era tarde ou cedo. Apenas tempo. E o cheiro a pão arredondava-se por ali. Conseguia lembrar-se do sabor da água-mel com que adornava fatias de prazer. A cafeteira estava na cozinha. Fervilhava os aromas da manhã. A rapariga rolava na cama as inquietudes da distância. E o Sol amarelo galopava por ali. Assim. E ela via. Longe. Tão longe de si. Um frio esquivo mirrava-lhe os dedos. Não esboçava um gesto. Apenas se perdia na horizontalidade do tempo. Um cadeirão reclinava-se na leitura de um livro… de poemas. Lido do princípio até ao fim. Na fé que as palavras abafassem as intempéries.

 

Lá fora, no beco dos postigos amarelos, as velhas desfechavam as portas. Diziam bom-dia. E os narcisos amarelos floresciam até ser tarde. Depois, atiravam os desgostos para a mansidão das pedras. Desenhavam, no empedrado da subida, a aflição agnóstica de serem gente.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub