Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

pisar

   há quem goste de pisar pés incautos

 

 

Admiráveis os pés que a gente tem! E que importa se não tenho culpa de os ter assim? Quem não aprove não gaste e deixe estar. Andar a dois pés é humano, por isso ando. Tanto que às vezes sinto que os gasto até aos joelhos. Depois poupo-os. Mas gosto.

 

Suportam pesos. Belezas e vontades. Aborrecem-se e calçam botas para esconder tempestades. E partem para manobras acrobáticas, persuadidos que andam nas nuvens. E caem dos saltos pontiagudos que a vida tem. Depois riem, enfiam uns chinelos nos dedos e palmilham o mundo inteiro. Sem parar porque a praia é o destino. No deserto a areia enrola-se nos dedos. Os passos não fluem e os pés enterram-se à espera que a tempestade cesse. Tapa o céu, de horizonte a horizonte, e os dromedários só têm uma bossa. Os camelos é que têm duas. Os pés desnorteiam-se, não reconhecem o caminho. E vão, sem rumo e andar é um movimento ilegal se um pé paira no ar. Por isso, movem-se os dois. São uns andarilhos, os pés. Contorcem-se padecidos. Impõem calçado cuidado quando sabem que a deslocalização é o fim. Então clamam a urgência de consolidar a tradição.

 

Os pés deambulam à beira-mar. Encontram livros na biblioteca. Ensaiam passinhos de dança e trauteiam canções de embalar. Desvendam flores campesinas e cobiçam o rio que corre sem parar. E à noite, levam-me para a cama. Gosto que os meus pés me carreguem com eles. Que me convidem a passear e a olhar. A colorir os sonhos com memórias e o arco-íris com vitórias e derrotas. Com afectos, também. Com pessoas. Gosto que os meus pés me transportem pelo mundo e dividam comigo viagens a haver. Gosto que os meus pés me sussurrem ao ouvido que hoje não vamos ali. Eu cedo. E ficamos aqui.

 

Os meus pés são incautos e crédulos. Tão simplórios! Andam atrás das pessoas. E vão com elas. Não admira que os pisem. Tivessem cuidado, berro abespinhada. Desiludida e pisada. E é nestes momentos que invejo a força da pata de um elefante. Pelo peso, tamanho e força descomunais. A boca de um hipopótamo também serve.

 

Enfiados nos chinelos, os meus amados viajantes olham para mim e riem. E partem em bicos de pés. Et voilà! Chaque danseuse a ses astuces personnelles...


3 comentários:
De GMV a 31 de Julho de 2008 às 23:38
Pena que essas tuas andanças não te tragam aqui para os meus lados.
Boas caminhadas.
Beijos


De Paola a 31 de Julho de 2008 às 23:45
Oi,

As minhas andanças são palavras que mentem ao mesmo tempo que me desnudam. As andanças não são minhas, mas de quem eu sou aqui... e tenho ido "para os teus lados", só que fechaste para férias...

Bjos


De GMV a 1 de Agosto de 2008 às 00:46
Não era para ser entendido virtualmente falando.
(comecei hoje!!!!!)
Bjs


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

Gostaria de saber se vcs mandar mudas de margarida...
A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Em destaque no SAPO Blogs
pub