Sexta-feira, 15 de Agosto de 2008

bebericar

bebedeiras da noite

 

               bottélon na praia

 

 

 

 

Portugal é, por tradição, um país de brandos costumes. Também por tradição, é uma terra que gosta de beber o seu copito. Nem sempre à refeição. Mas com objectivos. Sorve desgostos de amor. Ensopa tremoços e caracóis. Suga amores pela palhinha. Bebe para afogar os prantos que sopram forte. Engole as alegrias que chegam tarde. E pequeninas. Toma um copo com os amigos. Sorve o espanto de ser pai pela primeira vez e aperta nos braços a garrafa com quem passará o ano. Um gole de traição. Na flûte, um admirável gaulês. Da terra de Dom Pérignon. Que tem mais borbulhas. Uma noite sem exemplo. Depois volta ao copo de vidro e bebe o que a lusa terra lhe dá.

 

Hoje, a minha admiração tem desatinos. Porque não compreendo o gesto. A decisão. O intento. A motivação. Só se por uma ignorante infantilidade a querer ser gente grande. Ou por razão nenhuma, o que não é bom. Porque sim, tão-somente? Diz a notícia que os jovens espanhóis bebem muito. Dos portugueses não fala. Uma espécie de bebedeira colectiva. Uma orgia nocturna de garrafas no areal. E bebem. Bebem. A noite toda. Depois, já despidos de razoabilidade humana, gritam muito. E partem coisas. Dizem estupidezes. E bebem mais. Fazem burrices. Estão bêbados, não sabem. Chega a polícia que vem minorar os danos. Os desacatos persistem. E a rapaziada jura que não está a fazer nada de mal. Que é tudo normal. Que se divertem somente. E têm o descaramento de apresentar queixa porque em Espanha não os deixam beber assim. E adormecem tranquilamente. Quando acordam vão a correr comprar mais. Para escaldar a noite.

 

Acabadas as férias, levam o quê? As fotografias estão desfocadas e manchadas pelo álcool. Os corpos estão sempre a dormir. Não reconhecem rostos. Dos locais mal se lembram. Estavam estonteados. Na pele arrastam a cor das bebidas brancas. E a espuma não é a do mar. Não sabem do sabor do mar, nem do Sol. Mas vão lembrar-se que beberam muito. No areal. Do resto, não têm a certeza. Passaram por Portugal. Regressam com a bagagem despojada de férias. Porque estavam perturbados. E porque estavam completamente atarantados amaram na areia. Com raparigas também completamente aparvalhadas. Não acautelaram doenças sexualmente transmissíveis. Nem barrigas prenhes no areal. Fizeram sexo porque o afecto não fazia falta. O amor inebria-se a si próprio. Não necessita de álcool. E os jovens, porque são jovens, não precisam de se divertir assim.

 

E é com notícias destas que o alerta das campanhas se torna mentira. Admiro-me com radicalismos e proibições. No entanto, admiro-me muito mais com a abundância de informação que os jovens rejeitam e ignoram. E regressam a casa com a certeza que beberam muito. Tanto que não se lembram de mais nada. Portugal espanta-se com a notícia. Portugal é um país tolerante. Portugal não vê a publicidade que anda aí. Praia, cerveja, mulheres, sol, cerveja, jovens, corpos, futebol, cerveja, o sabor autêntico da praia. E eu pensava que a praia sabia a praia. E que o cheiro era do mar...

 


2 comentários:
De Perfume a 15 de Agosto de 2008 às 22:42
Olá, voltei cá. Infelizmente estes jovens julgam que uns copos poderão dar-lhe mais sabor á vida. Irão aprender com o tempo e alguns á custa de algum sofrimento que não é assim. Excelente post. Estou a ficar cliente.


De Paola a 15 de Agosto de 2008 às 22:48
Olá.

Pois é a malta é jovem e tal. Mas há limites à integridade do corpo... E esta ideia de beber só por beber não entendo. Eu sou mãe de dois rapazes... Volta sempre.

beijinho


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

Gostaria de saber se vcs mandar mudas de margarida...
A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Em destaque no SAPO Blogs
pub