Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

ponto de admiração

ponto de admiração

18
Ago08

Jacinta VII

Paola

   O dia acordou cálido. As previsões meteorológicas contam a história da permanência do Sol. Que Jacinta gostava de ver desaparecer. No monte, atrás do barracão, ao fim da tarde. No fim da linha. É ali a terra dos sonhos. Fecha os olhos e vê imagens que não consegue parar. Corre atrás dos rostos e só sossega quando o vento lhe fustiga o corpo. E  fica até que lhe roube a dor.

 

Da estrada, a casa mal se vê. Um caminho de terra empoeirada ladeado de árvores muito verdes. As copas fazem-se de cabelos caídos em lágrimas. Virados para o solo. De cabeça menosprezada. Elas sempre cresceram para baixo, numa inglória tentativa de entender as raízes, constata Jacinta com a certeza que conhece pessoas admiráveis que escondem a sua verticalidade. Não são capazes, ou não querem, assumir capacidades. Numa contínua rejeição de protagonismo. Árvores fartas e elegantes. Apesar da sua fragilidade. Bastam-se na sua magnitude e beleza. Olham-se ao espelho do rio que está ali e coram. Mas benzem-no também. Por isso olham para o chão. E brota a cumplicidade de quem há muito se ama. A Primavera ressuscita a cada beijo. A cada afago dos ramos que olham para sobrado poeirento. Na solidez de árvores de ornamentação. E quantas vezes lhes apetece partir no bico de uma garça, ao pôr-do-sol.

 

Os chorões alternam com dois castanheiros e irritam-se com a sua dimensão. Presunçosos! Não precisavam de crescer tanto. Ainda por cima, ornam-se de ouriços picantes. Que riem muito. Tanto que a cada gargalhada uma castanha cai no chão. E com uma nogueira de copa largamente ramificada. Que contribui generosamente para embelezar a estrada. Com flores amarelas. E lança um intenso e distintivo perfume. E bebe água no rio. Olham para o céu e agradecem. Apenas os chorões se viram para baixo. Modéstia tamanha para quem foi jardim na Babilónia. E sempre que o vento chega com a sua música, as árvores ficam de pé. E bailam com ele. Os mais novos já não se recordam. E os velhos não o podem confirmar. Jacinta mora sozinha. Dois gatos que se empoleiram no parapeito da janela fazem-lhe companhia. Ou ressonam aos seus pés. E ela fica só. Na sala, porque lhes nega o quarto. Dois persas dourados e nariz achatado. Rabo curto de pêlo imperial.

 

A casa completa-se na cadência do lugar. Pela sinceridade. Pelas raízes que se agarram àquele bem-aventurado chão. Uma terra que se regenera ciclicamente. Como as gerações que desapareceram da casa. Resistem os vultos emoldurados. Casamentos e baptizados. E o Natal. Dias com vento e com chuva. À beira do rio. Na margem do Sol.

 

Jacinta acorda cansada de audácias assumidas à luz do dia. Perdera o controlo do jogo. Cobre-se com um roupão de seda. Vermelho. Que ele lhe trouxera do Irão. Júlio conhece grande parte do mundo. A profissão leva-o para longe. De vez em quando. Todos os dias telefona. Uma vez, duas. Às vezes três. Diz-lhe por onde anda. As saudades. O amor. Tanto que se amam. Das prendas que lhe compra. Uma por dia. Porque a quer todos os dias. Jacinta viaja com ele. À distância, sente os aromas e as cores das terras que ele pisa. E as vozes. Como é que se diz amo-te em persa? Pergunta-lhe. Tora dost daram! Tora dost daram! E ela ri da sua ignorância linguística. E cora. E deseja tê-lo ali. Só para lhe responder. Em português. Tanto!

 

Aproxima-se da janela do quarto. O gato dorme no parapeito de mármore. Assusta-se e abala. Vai terminar o sono debaixo do chorão. E Jacinta olha para um passado que quis. A janela permite-lhe voar. E num instante sai dali. Percorre os corpos cercados pelo calor da paixão. A janela autoriza os sonhos a entrar e a sair. Mas só os reais. E pela janela entram os sons da vontade. À janela, os pés de Jacinta passeiam pela estrada poeirenta. E junto ao chorão atapeta dez anos de lânguido e doce veneno. Do interior para o exterior. Ambos olham para o chão.

 

A chamada não atendida extingue-se em cima da cama. Jacinta tinha-se vestido para olhar de longe.

 

 

fotografia de Jorge Soares

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Paola 18.08.2008

    Às vezes também me apetece ser gato e ter chorão só para mim...

    Obrigada

    Beijinhos
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

    Arquivo

    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2015
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2014
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2013
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2012
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2011
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2010
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2009
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2008
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub