Quinta-feira, 28 de Agosto de 2008

caminhar

 pegadas de amizade

 

 oito alegres pés

 

 

 

Afeiçoados na vontade de caminhar, num dia de morno de Agosto, seis pés rumam ao Sul. Levam a vontade de abraçar o mês que vai acabar. E querem beijar o mar. E todos seis correm para o Sol. E andam, andam até lá chegar. Envolvem-se no amarelo e admiram-se com o azul. Surpreendem-se com o verde. E comentam que arrulhar rima com marulhar. E o mar espreguiça-se. E lá ao fundo, a cadência é marcada pela vastidão azul-mar. E correm atraídos pelos cânticos sem olhar para trás. Ouves? É o mar a desenhar poemas na areia. Pois é. O mar é um poeta, disseram dois. Um escultor, opinam os outros dois, olhando as obras cinzeladas ao longo de tempos de Inverno. E comentam que ali habita Orfeu. O mais prodigioso músico que já existiu. Poeta também. Por isso, as gaivotas poisam para o escutar.

 

Oito contentes pés foram espreitar o mar. Mais dois se juntaram. E todos os oito pés na areia dançaram. E Orfeu males sana cantando e tocando a sua lira de ouro. Músicas de espuma. Canções de areia. Ritmos do mar. E dois dos oito pés vão continuar a cantar. Porque nesta sinfonia da vida, oito são mais do que dois.

 

 [fotografia de Paola]

 


6 comentários:
De Perfume a 28 de Agosto de 2008 às 12:19
Os oito pés cantaram segredos ao mar, que o mar enrolou na areia e guardou lá bem no fundo no mar alto.
Mais uma vez muito bonito.


De Paola a 28 de Agosto de 2008 às 13:57
Olá!

Pois foi. Dissemos segredos ao mar que estava lindo. E rimos muito. Foi um dia bem passado. Lá para os lados do Alentejo.

Beijinhos


De GMV a 28 de Agosto de 2008 às 19:17
Imaginar que dois eram meus! E que se molharam nas lágrimas de tanto rir.
Até e beijos (ainda a rir, diga-se)


De Paola a 28 de Agosto de 2008 às 19:24
E dois são meus! Ainda faltam quatro! E muitos pés juntos podem sempre bater o dito!

Bjos


De Ana a 2 de Setembro de 2008 às 17:46
Os dois pés que ficaram esperam a volta dos restantes seis. Aqui ao pé do mar, na montanha ou na cidade o importante é andar com os meus bem juntinhos aos vossos.
Quando voltamos a juntar os nossos pés?

Beijos gooordos


De Paola a 2 de Setembro de 2008 às 19:40
E os oito pés são mais do que dois... sê-lo-ão sempre. Mesmo quando caminham por lados diferentes e não estão presentes. Estão!

Bjos


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...