Domingo, 31 de Agosto de 2008

apregoar

  © Antero Valério

 

Agora que Agosto faz as malas e a Costa de Caparica está em obras, vejo as sombras do Verão. Oiço ondas de nostalgia e vejo marés de alcatrão.

 

- olha à boola de Berlim… a boooooooola!

- Senhor! Senhor...

 

E a cesta levantava um paninho branco que escondia delícias dali. Ouvi dizer que já não é a mesma coisa. Vem aí a ASAE. Ainda bem que a praia não tem portas. Ou tem? Taipais, tem? E muro? Não tem. Ou tem?

 

- Olha os bolos, olha a bola-de-berlim!

 

Controle-se a higiene. Pelos padrões todos. Mas não tirem um daqueles prazeres que, há muito, transporto no meu imaginário afectivo.

Não sei se há registo, todavia tenho curiosidade. Quantos casos de intoxicação com as fantásticas bolas compradas na areia da praia? Mais incidentes existirão com intoxicação política. Ou não? Há? Não, não há. E por favor, não enfiem as bolas em saquinhos deprimentes. É que perdem o sabor... Bolas!!

 

 


6 comentários:
De Jorge Soares a 31 de Agosto de 2008 às 22:11
Olá

Concordo contigo, as bolas de berlim na praia são um daqueles prazeres que perduram na nossa memória... deveriam arranjar maneira de controlar...sem matar as nossas memórias.

Beijinho
Jorge


De Paola a 31 de Agosto de 2008 às 22:19
Seja bem aparecido! Estás melhor? Pelo menos já "andas". Virtualmente falando...

Quanto às bolas? Pois claro, que fantástica é a imagem, e o pregão, pela areia fora. Comi algumas e sobrevivi sem qualquer mal. Que melhorem o negócio, mas não o matem, como fazem com outras coisas...

Bjo e força para uma recuperação rápida.



De Sónia Pessoa a 31 de Agosto de 2008 às 22:36
que saudades dessas bolas... as de Mata Rota, no Algarve!!!!ai que saudade...


De Paola a 31 de Agosto de 2008 às 22:40
Olá, Sónia.

É mesmo. Que saudade das bolinhas. Mornas! Na praia é que sabem bem.

E agora querem acabar com elas!!

Beijinhos


De ide!as a 1 de Setembro de 2008 às 20:53
Bola de Berlim ? Excelente ideia, mesmo que saboreada no meio do asfalto. Bjs.


De Paola a 1 de Setembro de 2008 às 20:57
Então não é? Mas na praia sabem melhor! Deve ser por causa do mar...

Bjos


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

Gostaria de saber se vcs mandar mudas de margarida...
A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Em destaque no SAPO Blogs
pub