Sábado, 27 de Setembro de 2008

apetecer

de Paola, as galinhas

Hoje é sábado, mas não me é consentido falar… Por isso, vou apenas murmurar. E se alguém perceber? Não, é melhor suspirar … Ai que me estão a ouvir! Assim não dá. Irra! Tanto que me apetece gritar. Talvez, rumorejar. Ai, ai que me estão a escutar. Tenho mesmo é que me calar.

 

Shiu! Apetece-me arroz-doce. Com muita canela. Admirável. Só mais um segredo pequenino e muito baixinho, sim? Tanto que me apetece praguejar! Mas só poder cacarejar é muito pouco. E muito devagarinho, apetece concluir que não percebo nada disto... Se eu disser que anda meio mundo a fingir é apenas porque me apatece. Ou então sou eu, que não me apetece pensar. Ou não me apetece escrever. Pode apetecer! Ou não? Mas apetece-me ser barco. Procurar o mar e vaguear. Pular as ondas. As tempestades e os temporais. E não voltar ao cais. Apetece-me!

 

 


5 comentários:
De Jorge Soares a 27 de Setembro de 2008 às 21:04
Pragueja, aproveita que agora ninguém está a ouvir... antes praguejar que cacarejar, que as galinhas nunca tem razão... ou tem?...

Beijinho
Jorge


De Paola a 27 de Setembro de 2008 às 21:16
Está tudo a ver o jogo, não é? As galinhas podem não ter razão, mas ouvem-nas! A nós, não... Ninguém nos liga!!! E a cacarejar faz-se mais barulho...

Beijinhos


De Jorge Soares a 27 de Setembro de 2008 às 21:28
Tudo não..... há quem esteja só a ouvir.

Por vezes praguejar resulta.... pode ser que não te ouçam... mas pelo menos libertas a raiva.... não resolve, mas alivia.

Beijinho


De GMV a 27 de Setembro de 2008 às 21:50
Até porque o cais nem sempre é um porto de abrigo.

(também eu "oiço"... não vejo...o meu SLB)

Beijos e apetece-me abrir as velas e zarpar por esse mar.


De Paola a 27 de Setembro de 2008 às 22:03
Então já somos três... Sempre podíamos procurar um porto que transmitisse o jogo... Em sinal aberto e sem custos. Que tal?

Bjos


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...