Sábado, 4 de Outubro de 2008

submeter

de Paola, as horas

 

Submittere - muito melhor em latim

 

Não gosto de verbos assim. Porque palavra ruim. De má índole e de escassa tolerância. Desengraçada e assanhada. E que este vocábulo não pense que o uso com agrado. Apenas porque sou forçada.

 

Não o creio muito amado. Porque obrigar é algemar. O que também detesto. E congratulo-me com a abolição da escravatura. Nem me meto em desordens… Nem ando para aí a cantarolar “chamem a polícia."Às vezes chamo, mas é por causa de uns desordeiros da via pública que não aprendem a estacionar o carro em locais onde não impeçam a minha livre circulação. E lá tenho que refrear a minha ânsia de os insultar. E vencer as dificuldades que me colocam logo pela manhã. Ainda com sono e mau feitio matinal. É empreitada hercúlea. Irra, que é sempre a mesma coisa!

 

Não o acredito muito respeitado. Porque humilhar é coisa que não se faz. Por uma questão de estima. De auto ou hetero pouco importa. Porém estima. E eu recuso-me a curvar-se submissamente a este ignóbil verbo. Não posso? Posso! Porque às vezes até gosto de me entregar. Nem tenho nada contra a subordinação, apesar de preferir a coordenação. É mais franca e não embaraça tanto a vida. Embora, toda a gente saiba que há quem goste de dominar. Ganas de ficar por cima. Subordinantes licenciosas! Nada mais resta às coitadas das subordinadas que ceder. E conjecturar a propósito de subjugar. E dou por mim a admitir que o amor foi inventado por quem nos quer obrigar a procriar. Só pode! O amor virtual também? Quem sabe!

 

Não o admito bem prezado. Só porque não gosto dele, tenho que me sujeitar? Era só o que faltava! Já me basta ter que trabalhar. Se eu tivesse outras habilidades. Não tenho e assim não dá. Eu sei que o meu trabalho é bem airoso. Ruim mesmo é ter que trabalhar. Paciência! Lá vou ter que me curvar.

 

Não gosto de me submeter. Não! Morra o verbo, morra ele, pum, pum, pum!Trás!

 

E eis que chega um rabugento batráquio, muito verde e enfatuado, a obrigar-me à submissão. Que sapice, Senhor Sapo, que sapice! Só porque gosto de si, meu anuro verdoengo, me predisponho à função. E submeto-me também. Todavia não gosto do verbo, lá isso é que não. Quando submeter é imperativo caio e dou um trambolhão. Não gosto da posição e muito menos da humilhação.

 

E porque apenas contemporizo com submissões legisladas, já que sou obrigada por lei, vou sair e comer arroz-doce. Com muita canela e sem preceitos informáticos.

 

 

 


Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...