Terça-feira, 7 de Outubro de 2008

sachar

de Jorge Soares, Setúbal

 

A minha infância teve um sacho para brincar. Andava sempre um lá por casa, o que me permitia sachar. E lá saltitava eu de buraco em buraco. Por causa das minhocas. Das formigas de asa. Coisas muito necessárias para as ratoeiras. Às vezes fingia que sachava. Mas não, apenas brincava. Sobretudo quando chuviscava. E tanto que eu gostava! Os meus tenros anos têm o perfume de terra molhada. E eu carregava frescas pegadas do medronhal, enquanto o meu sacho saracoteava com alegria, dando ares de pessoa crescida, na mais estéril imitação da enxada.

 

Hoje, os meus pés carregam saudade. Perfumados com memórias da minha infância de uma terra molhada com o café da minha avó. Da cafeteira esmaltada de azul. Da cor do rio que acontecia lá ao fundo.

 

A minha infância teve um sacho. Para revirar a terra e cheirar-lhe o corpo. E arrancar as ervas daninhas. Dessas, não me lembro. Não tinham cheiro. Não têm perfume. O sacho tinha.

 

Maldita sibilante e a palatal também. Francamente! Só faltava aparecer para aí um D. Sancho qualquer para me atrapalhar a articulação!

 


4 comentários:
De GMV a 7 de Outubro de 2008 às 23:24
Somos as nossas memórias... tão bom recordar, quando a história mete sachos e terra e minhocas e ervas daninhas e avós, principalmente avós.
Bjs


De Paola a 7 de Outubro de 2008 às 23:27
Principalmente tudo! Porque já não há...Então, restam as memórias num tempo de saudade...

Bjos


De Jorge Soares a 7 de Outubro de 2008 às 23:37
Não me lembro de ter um sacho.... mas a minha mãe tinha, e enchadas.... usávamos as enchadas para abrir os regos para plantar as batatas, abrir o rego, colocar o estrume e as batatas, rapar a erva e colocar por cima..e abrir outro rego..... somos o que já vivemos não é?

Beijinho
Jorge


De Paola a 7 de Outubro de 2008 às 23:43
Oi, Jorge!

É certo que somos! E são essas vivências que ocupam as nossas memórias... Vi o teu "sino" e fiquei com saudade...

Não das enxadas, que também lá existiam. Mas do sacho que era só meu...

Bjos


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

Gostaria de saber se vcs mandar mudas de margarida...
A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...