Terça-feira, 14 de Outubro de 2008

acordar

de Jorge Soares

 

Gosto de dormir até acordar. Sem intervalo. Adormecer as horas cansadas.  E sonhar que não me vou levantar. É só um sonho. Não é crime, é? Às vezes, já na cama, adormeço com a noite. E ela conta-me histórias de embalar. São cumplicidades que embrulham sonos e sonhos. Ela fala-me de penumbras e escuridões. Eu garanto-lhe que há luz. Ela garante que o Sol é amarelo, mas nunca o viu. Leva as mãos à cabeça e chora.

 

O dia acordou depois de a noite ter adormecido. Bem cedo! Espreguiçou-se, bocejou e disse qualquer coisa que não compreendi. Palavras arrufadas de quem lava os pés na água que corre fria. Exclamações amarelas de quem acorda com o gorjear dos pardais. E com o alvoroço do galo na capoeira. E com os grilos que cantam o alvorecer: gri‑gri...eu não morri... eu não morri... Estava frio e o Sol despertou também. Tomou um duche rápido. Vestiu-se. Tomou o pequeno-almoço. Pôs-se à janela determinado na espera. A Lua haveria de chegar. E talvez, seranemente, sussurar sem a olhar:

 

- Desculpa! Vai-te deitar. Já é tarde.

 

E o Sol deitar-se-á com um enorme sorriso nos lábios. Sem lhe tocar. Adivinha-lhe o rosto. Define-lhe o gesto. Chorosa, a Lua, confessa que assim não é feliz.

 

E eu, que não interfiro em guerras conjugais, espreguiço-me e grito ao vento que Gosto tanto de acordar todas as manhãs!

 

tags: , ,

5 comentários:
De Utopia das Palavras a 15 de Outubro de 2008 às 14:12
Escrita sensível, escorreita, transparente!
("defeito" de professora?)

Fotos espectaculares, amiga!

Parabéns! Tá linda esta parte de ti

Beijo
Ausenda


De Paola a 15 de Outubro de 2008 às 14:19
Oi,

Se calhar é mesmo "defeito" de professora... Sempre gostei de "escrevinhar", de brincar com as palavras...

Obrigada

Bjos


De Utopia das Palavras a 15 de Outubro de 2008 às 14:15
AHHHHH! Só agora percebi a sequência dos teus posts (lerda eu) são a partir de verbos!
Ideia original... gostei

Beijo
Ausenda

(espreita-me tb em tempoagreste.blogspot.com)


De Paola a 15 de Outubro de 2008 às 14:23
Olá,

Boa! Descobriste!

O verbo é uma classe de palavras com a qual os meus alunos não atinam... e foi assim que me me ocorreu brincar com os verbos, levá-los para onde calhar e me apetecer...

Beijinhos


De Paola a 16 de Outubro de 2008 às 20:25
Oi, amiga.

Já te espreitei no "tempo agreste" e até passeei. O clima estava admirável. Temperatura amena... propiciava a leitura. E li...

O Blogue é teu? Todinho?

Beijinhos


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...