Quinta-feira, 23 de Outubro de 2008

engadanhar

 da Internet

 

Há muito tempo, gadanhava-se a valer. A vida trabalhava-se na agricultura. Na dos outros que tinham terras imensas. Quintas e quintais. Herdades e montes. Lavras de arroz e searas de trigo. A vida era pintada de amarelo-esverdeado. Escuro, quase preto. E quando a fotossíntese se cumpria era uma alegria clandestina. Iniciava-se a cadeia alimentar. E a fome grassava por ali. Sem esse admirável fenómeno seriam incapazes de sobreviver. Por carência de verde. Já Aristóteles dizia que as plantas necessitavam do Sol para se esverdearam à vontade. Só que o Sol não sabia que a gadanha era uma criatura nefasta. Dois cabos menores seguiam sempre a par. Por isso, a lâmina feroz. Cortante e muito torturante. Exigia arte e engenho, manuseio de quem entendia do assunto. Tudo era feito com muito cuidado. Às vezes, apenas para desorientar os incautos, mudavam-lhe o nome. Tratavam-na por tu, o que dizia da intimidade. Ou não. E a gadanha tanto respondia por gadanho como por alfange. Mas acudia. E cortava. O trigo, as canas, o junco, a erva. A daninha e a outra. Não entendia as diferenças. Apenas o verde. Então, gadanhava tudo o que serpenteasse verdura. Alguns lavradores munidos da alfaia agrícola, e por tanto a usar, até se persuadiram que morreriam a gadanhar. Sempre a gadanhar, acabaram por entender que aquilo era só um adorno em mãos erradas. Sujas e enjoadas. Inquinadas por bebedeiras de comando. Convencidas que a cultura não era popular. E mascarados de cavaleiros apocalípticos, trouxeram a peste, guerra, fome e morte. Esqueceram-se que não podiam causar danos à erva. Nem às árvores. E o verde sobreviveu nas bocas moribundas dos corpos. A terra floreou.

 

Nos tempos actuais, as ceifeiras mecânicas substituíram a tradição. A gadanha esgadanhou-se na prateleira do museu. Na adega, talvez no barracão. É sobras de dias gastos a chorar as canas esquartejadas à beira do rio. A gadanha é termo afectivo. Património das minhas memórias visuais. De longe, apenas de muito longe. Acabou-se a possibilidade de gadanhar. Porque se foi, a gadanha.

 

Hoje sinto-me esgadanhada pela indolência de uns. Ignorância de outros. Inoperância de muitos. Inépcia de quase todos para labutar com a gadanha. Acintosas vontades. E por mim que estou desassossegada com tanta falta de jeito.

 

E é por ver tanta gente a gadanhar que não percebo a razão de estar assim. Muito engadanhada. Faço riscos na areia, ao acaso. E lá ao fundo, vejo linhas inúteis. E percebo que gadanhar é profissão sem futuro. Certamente, por falta de jeito.  É que as mãos também se enganam.

 


Escrito por Paola às 00:10
Link do post | Adicionar aos favoritos
De jabeiteslp a 23 de Outubro de 2008 às 21:56

tanta mágoa
e devaneio ao pensar
que de tanto lutar
o amargo de um sorriso
dá-se por dar
talvez, talvez não
e relembro um velho ditado
vale mais a mão inxada
do que a inxada na mão
assente num dia a dia
que de tanto esgadanhar
se fez bom dia

da Covilhã
bjo
parabens




De Paola a 23 de Outubro de 2008 às 21:59
Olá!

Obrigada pela visita e pelo simpático comentário.

Beijinhos


De jabeiteslp a 23 de Outubro de 2008 às 22:24

prazer o meu
o de ler
gente do verbo ser


bjo


De Paola a 23 de Outubro de 2008 às 22:29
Que lindo comentário! Do verso ser? Pois sou...

Bjo


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...