Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

ponto de admiração

ponto de admiração

05
Nov08

exteriorizar

Paola

 de Jorge Soares

 

A flor exterioriza a perfeição. E procura o Sol. Sem modéstias estéreis, sem alardes insignificantes. Ela sabe que a excelência mora ali. Desnuda-se de cores que não aprova, decide-se pelas que quer. Assume o seu garbo e não esconde o enfado quando não percebem que a sua elevação é natural.

 
Preocupa-a a fragilidade, mas agrada-lhe a seriedade. E sempre que o vento chega, diz-lhe que sim. E amam-se até ele a deixar. Ela conhece-lhe as astúcias. Ele voltará. Volta sempre… Para lhe gabar a excelência. Às vezes fica. E, ao seu lado, acorda apaixonado por tão admirável beleza. Inebriado com o perfume do seu corpo. Ela sorri. Torna-lhe que sim. Que germinou assim.
 
Aflige-se com a espontaneidade, no entanto gaba a verdade. E sempre que o vento acontece, murmura-lhe que sim. Que agrilhoado não o quer. E pede-lhe que, à noite, chame o luar. Ele faz-lhe a vontade e começa a cantar. Jura que vai plantar um jardim para ela brilhar. Ela murmura que sim. Que rebentou assim.
 
Sempre que a flor acorda de manhã, revela a certeza. Que reside no facto incontornável de ela ser assim. E conta que surgiu de uma minúscula semente que o vento derramou. Que o processo foi genial, tudo muito inato e que apenas precisa de água para sustentar a raiz.
 
Sempre que o vento desperta, mostra o movimento. De flores apressadas, muito enraizadas a cumprir a missão. Empenhadas na bajulação, nem percebem a sua desconsolada condição. O vento não resguarda flores de plástico, que não é dado a coacções desusadas. Nem a sofisticações forjadas e muito laboratoriais. E a flor segreda-lhe que sim. E narra arrelias ampliadas que se exteriorizam no jardim.
 
A flor contenta-se na exteriorização da sua lealdade. Naturalmente assombrosa. E eu não percebo por que razão as pessoas preferem as flores artificiais. Tanto, que acodem como elas. Na vassalagem ao Sol. Na exteriorização de vontades que não são suas. Nem sabem que as flores artificiais dispensam a luz, a água e a pátria. Movem-se por imitação.
 
E o vento começou a soprar...
 
Depois de algum tempo aprendes que o sol queima se ficares exposto por muito tempo, e aprendes que não importa o quanto tu te importas, algumas pessoas simplesmente não se importam...
 

Aprendes que não importa em quantos pedaços o teu coração foi partido, o mundo não pára para que o consertes. Aprendes que o tempo não é algo que possa voltar para trás, portanto, planta o teu jardim e decora a tua alma em vez de esperares que alguém te traga flores, e aprendes que realmente podes suportar... que realmente és forte e que podes ir muito mais longe depois de pensar que não podias mais.
 

 William Shakespeare

E a flor pôs-se a pensar...

 

10 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub