Terça-feira, 11 de Novembro de 2008

mascarar

 Não sou nada.
 Nunca serei nada.
 Não posso querer ser nada.
 À parte isso,
tenho em mim   todos os sonhos do mundo.

 (…)
 Quando quis tirar a máscara,
 Estava pegada à cara.
 Quando a tirei e me vi ao  espelho,
 Já tinha envelhecido.
 
                                                                                                                    Álvaro de Campos, Tabacaria
 
A máscara põe-se e tira-se. Um adorno na cara de muitos. Um disfarce no rosto de tantos. Rituais assumidos, dissimulados e maliciosamente astutos. À noite, limpam-se impurezas e excessos de untuosidade vergonhosas. A pele descansa, renova energia. Acorda de manhã disfarçada de alegria. E sai para a rua decidida a camuflar as linhas de expressão adquiridas de véspera, sem perceber o embuste.
 
A máscara é beleza, o rosto é que não. A caraça é criação fantástica. O semblante demora-se em manifestações diabólicas. Gravita em torno de mistérios obscuros, grotescos e sinistros. Isenta de culpa, a máscara cumpre a sua missão. O rosto é que não! Porque acessório na cara da gente. Aqui, não cumpre a obrigação. A máscara deixa de ser um genuíno adereço e adquire um carácter enganoso. A máscara esconde a identidade. Metamorfoseia a cara de quem a põe. E os heróis transformam-se naquilo que não são. Os desnaturados no que são. E nada sobra da verdade. Assumem-se actores de comédias gregas. Rostos mascarados com cara de virtude. Vícios, alegrias, usuras e tristezas disfarçadas. Papéis que sobraram. Que galgaram o tempo. E tremeluzem nos recreios sociais.
 
A mascara disfarça-se. Mostra-se e revela. Galhofa na participação em rituais. Atemoriza e magoa na transfiguração. Amedronta na representação de seres maravilhosos. Invoca os deuses ao mesmo tempo que os animais. E dança e dança em movimentos infernais. A máscara é tudo e nada e raiva e dor. É fundamentalista. É estética. Monstruosidades e beldades. É sim e não. Sobressalto e distracção. É múmia e carnaval. Proibição e alarido. Hipocrisia e falsidade. E sorri com as lágrimas da outra. Mentirosas, evidentemente. Polaridade bicéfala. Disfarce convocado. Inconvenientes repetidos de depressão e mania. Dualismo danado.
 
Abarrotada de ilegalidades, a máscara esmorece interdita. Repentinamente renasce mascarada de medo. Grita pela privacidade. Quer ver e não ser vista. Ouve sem ser reconhecida. Refugia-se no anonimato, porque não tem coragem. Sucumbe ao desgosto. Não pode mostrar. Não quer dizer porque a obrigam a calar. Uma espécie de calvário. De percurso para a cruz. A máscara chora pela outra que se ri. Pranteiam as duas. Riem as duas, porque se perturbam com a disparidade entre o que são e o que deviam ser. Desfigurado rosto que não vê o rosto que eu mostro! Com a nobreza do ver. Do poder olhar e explicar.
 
E eu acredito que chegará o momento em que as máscaras cairão. Cedo ou tarde, os rostos serão mostrados. A verdade também. Resta saber de quem será a iniciativa. Se da máscara, se do rosto.
 


 


Escrito por Paola às 00:56
Link do post | Adicionar aos favoritos
De GMV a 12 de Novembro de 2008 às 23:48
Polaridades...

Também acredito nesse tempo, em que as máscaras pesarão mais que a vontade do rosto! E cairão...

Bjs


De Paola a 12 de Novembro de 2008 às 23:57
Eu quero acreditar, mas no fundo nem acredito... Há rostos que se colam às máscaras.

Beijinhos


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

Gostaria de saber se vcs mandar mudas de margarida...
A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Em destaque no SAPO Blogs
pub