Segunda-feira, 17 de Novembro de 2008

espantalhar

 

A solidão surge agarrada ao espanta-pardais numa seara de trigo, no Verão, com feições de gente... Paralisado num aborrecimento de pau, ele demora-se na chegada do vento. Exige-lhe desvelos e crónicas de outras eras. E movimenta-se em ritmos perdidos no seu olhar. Serpenteia o coração e ouve o que ele lhe diz. E duas lágrimas desbotadas percorrem os trapos que vestem o espantalho. Para baixo, para orvalhar a raiz. O tempo ignora-o. Não o tem tratado bem. Dias sombrios, com noites de luz.
 
Eu desenterro silêncios ruidosos. Melodia de máscaras. Solilóquio de mim. Procuro-me… e sou ele numa mistura desenfreada de ecos e retalhos. Sou um espantalho dispensável e os pássaros fazem o ninho nas abas do meu chapéu. Sou um espantalho sem perigo, apenas o abrigo de pardais famélicos e sequiosos. Eu não quero a função de espantalhar. Se eu fosse um espantalho chamar-te-ia para junto de mim. Não assustava os corvos, nem os pardais, nem queria a cidade que se avista no fim. Escutava árias de amor com doçura na voz e gritava contra o silêncio. Desmentia os vultos que fogem de mim.
 
 
Larguei o destino. Ninguém vê  que o tempo é que espantalha assim, que quebra e derrota. Apetece-me fugir dali, porém vou ficar aqui enquanto os piscos cantam no medronhal...

 

tags:

Escrito por Paola às 12:32
Link do post | Adicionar aos favoritos
De Perfume a 18 de Novembro de 2008 às 15:27
Olá Paola, o teu espantalhar tem o efeito oposto em mim,- atrai-me sempre até esta seara de crónicas....
Gostava de ser espantalho no teu jardim das palavras.


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

Gostaria de saber se vcs mandar mudas de margarida...
A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Em destaque no SAPO Blogs
pub