Sexta-feira, 21 de Novembro de 2008

desertificar

  da Internet

 

dunas de água

 

 
Grandes são os desertos! No deserto os mares são de areia. As ondas são dunas esmurradas pelo vento. E o vento cospe, nos olhos dos incautos caminhantes, imensidades desabrigadas. E a mentira espalha-se por pungentes e desagasalhadas miragens. Mentiras multiplicadas na escassez da precipitação. No deserto estendem-se erosões eólicas, com espaço para chorar. Gritam-se heresias e abrem-se caminhos para o senhor passar. Pregando na solidão. Rezando a ignorância do seu sermão.
 
Grandes são os desertos! Porém, Santo António escolheu os peixes porque tinha o mar. Ouviram sem falar. Escutaram aplausos e admoestações, os peixes. Mas o pregador não percebeu a presença dos roncadores. Que peixes tão pequenos fossem estrondos ásperos no mar. E existem, sim. O Santo estranhava a ausência de peixes no deserto. São serpentes, cobras e lagartos. E muitos roedores. E porque têm muito calor, desfiguram-se no areeiro. À noite, esguicham das tocas e embebedam-se ao luar.
 
Grandes são os desertos! O vento expulsa as nuvens e dá o lugar ao Sol. Para que ele fervilhe com mais violência. E muita claridade. Corrompe a verdade e institui a sede como genuína. Reflecte desejos e poças de água no chão. E as almas errantes desnudam-se em decepções perturbadoras. A miragem diz que não, prefere falar em ilusão. Sonegando a desilusão.
 
Grandes são os desertos! Por isso, um rio acontece prodigiosamente. Águas sossegadas alvoroçam-se persistentemente na busca do mar. Tudo numa alegre romaria. Com aromas exóticos e areias coloridas. Canela afrodisíaca. Muita. Aromática e com propriedades antidiarreicas. Cuida de úlceras e ajuda a refrear a diabetes. Virtudes num deserto sem mar, mas pródigo em sermões.
 
Grandes são os desertos, e tudo é deserto.
 
(A.Campos/F.Pessoa)
 

 


Escrito por Paola às 21:25
Link do post | Adicionar aos favoritos
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...