Domingo, 23 de Novembro de 2008

pavonear

 da Internet

 

 vaidades espelhadas

 

 

Da estrada vê-se a casa. Pavoneia-se vaidosamente no dorso da duna. Mostra-se de lado e de frente. Acorda de manhã, pinta-se de branco e põe-se à janela. Corpo perfeito com decididas linhas azuis. Sempre a rumorejar promessas de amor. Pela areia ensolarada, descem passos satisfeitos e sobem cansaços suados. Pela ladeira, em movimentos ritmados pelo Sol.

 
A casa insiste na sua verdade. Autenticidade, acrescenta, se muito a indispõem. Diz-se assim. Que nem gosta de presunções. Que a beleza é natural. Nega-se na policromia colorida, que é coisa do pretensioso pavão. Ela não. É sua condição.
 
A casa contempla o rio que se ajoelha a seus pés. Está apaixonado, coitado! Escreve-lhe poemas de espuma. Marulha-lhe sonatas ao luar. E arremessa-lhe brisas perfumadas com agitações de marés. Ao anoitecer, a  agonia do manso rio ainda é mais triste… Espelha-se no seu amargurado estar. Nas decepcionadas ondas que vêm chorar na praia. Com sabor a sal. E todos os dias ele corre para o mar no desejo de a fazer mudar.São os pinheiros que escondem o ritmo arrebatado daquele gostar. Indefinida eternidade!
 
A casa permanece na duna. O rio é que anda para cá e para lá, sempre ali. São assim. Se não fossem não seriam rio e casa… antes uma rã enlouquecida que almejou ser boi. Tanto o invejou que não retardou a insuflar-se de ares bovinos. Queria ser grande, a tresloucada! E inchou na vaidade da transfiguração. E os outros anuros pediam mais e muito mais. E ela inchou, inchou, inchou! Até que estoirou. Foi a pele que não suportou tão grande vaidade.
 
Essa tola ambição da rã que quer ser forte
Muitos homens conduz ao desespero e à morte.
 
A casa continua na sua verdade E o rio faz-lhe a vontade. O pavão é que pavoneia imodéstia. Perdeu a serenidade.
 

Escrito por Paola às 21:02
Link do post | Adicionar aos favoritos
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...