Sexta-feira, 26 de Dezembro de 2008

Jacinta XI

de João Palmela
 Setúbal
 
Depois saíram da loja envolvidas na mesma gargalhada com que tinham entrado. Jacinta apenas queria um telemóvel cujo número nem ela própria soubesse. Para não o poder dizer a ninguém. Assim, aceitou de imediato a sugestão de Beatriz. Que seja, amiga. E foi.
 
- Giro! Vais poder tirar fotografias…
- Telefone, queres tu dizer!
- Bolas, Jacinta. Ri-te, vá lá.
- Sentamo-nos? Ali…
- Claro! Queres que eu te configure o brinquedo, não é?
 
Sentaram-se sem que ela tivesse ouvido a pergunta. Numa praça descaradamente pública. Era ali que tudo acontecia. Ou então, onde tudo se sabia. E todos, que nem eram muitos, falavam do calor, ao mesmo tempo que lamentavam a sonolência da vida. Compreendiam a aridez do mundo e, simultaneamente, negavam o eclipse da Lua.
 
Ali, na praça, bebiam café, excessivamente adoçado, servido em chávenas abrasadas e muito brancas. Os empregados serviam os clientes ao ritmo da lentidão. Certos que o tempo não se esgotava numa tarde quente de Verão. Que depois do pôr-do-sol as tardes se repetiam. Todos os dias. Bastava dizer até amanhã. Volte sempre.
 
Ali, na praça, Jacinta sentou-se como quem descansa a fadiga de anos. Alongou-se na cadeira de alumínio como se fosse uma escada. Trepou os degraus dois a dois e chegou ao Céu. Que era ele. Jamais se libertaria da transparência daqueles olhos verdes. Irra! Nunca beijara um rosto tão belo. E sempre que os seus lábios se desfaziam em amor, ela perdia-se naquele mar apaixonadamente agitado. Às vezes, distinguia barcos que partiam, que chegavam. Outras eram as gaivotas que calavam movimentos esfomeados e esbugalhavam os olhos espantados, não disfarçando gritos de ciúme. Mas, quase sempre, via chorões debruçados sobre o rio… Amo-te! Amo-te! Não feches os olhos, amo-te! E sempre que ele os não fechava, os chorões perdiam-se nas águas à espera do milagre da flor. E o amor era tanto, tanto que a pele vertia arrepios com sabor a mel.
 
- Jacinta!
- Hum… Hã?
- Já está…
 
Jacinta alongou o olhar até à igreja que branquejava no outro lado da praça. E lembrou-se que há muito não se aproximava do altar. Nem da porta. Que a continuar assim, Deus não lhe perdoaria…
 
- Jacinta!!
 
 

 

tags:

11 comentários:
De jabeiteslp a 28 de Dezembro de 2008 às 00:22


bela descrição
de toque singelo
que no gosto de comentar
dá que pensar

beijos da Covilhã
continuação de boas festas


De Paola a 28 de Dezembro de 2008 às 00:28
Obrigada por estares por aí... alors, merci d'être là, près de moi...

Beijinho



De jabeiteslp a 28 de Dezembro de 2008 às 17:19


toujours

jocas


De Paola a 29 de Dezembro de 2008 às 14:49
Merci.


De jabeiteslp a 29 de Dezembro de 2008 às 20:05



De GMV a 28 de Dezembro de 2008 às 00:36
Que saudades da Jacinta! E aí está ela... perdida por uns olhos verdes... na praça pública... longe da casa com janela...do telefone que toca em cima da cama...

Espero por mais onze capítulos, no mínimo.

Beijos meus.


De Paola a 28 de Dezembro de 2008 às 12:24
Ela não fica quieta... anda por aí...

Beijos meus, evidentemente.


De Jorge Soares a 28 de Dezembro de 2008 às 23:33
Olá

Ela voltou...a Jacinta.... ainda bem.

Beijinho
Jorge


De Paola a 29 de Dezembro de 2008 às 00:05
Pois foi! É o que faz o Natal...

Beijinho

Bom Ano



De Sónia Pessoa a 29 de Dezembro de 2008 às 00:46
Vai ao meu cantinho, tem lá um mimo para ti...


De Paola a 29 de Dezembro de 2008 às 11:11
Vou já... olha pra mim a correr...
Beijinhos
Bom Ano


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...