Sábado, 31 de Janeiro de 2009

emudecer

 silêncio dos sonhos

 

 

 

De dia nem sempre me apetecem palavras. Apenas quero ver silêncios aparatosos que me acordem. A noite aperfeiçoa os esboços que desenho. Transfigura-os com luzes e brilhos... De  noite não desejo o dia.  Nem o Sol. De noite, é a linguagem do silêncio que repara aquilo que o dia estragou.

 
Quando todos se calam, aconteço nos braços de Morfeu. Somos corpos abraçados ao nada num desvario afrodisíaco, até de madrugada.  Alheios a Hipnos que adormece tragado pelo ciúme num palácio onde o Sol nunca entrou. Com Baco ébrio de deslumbramento a espreitar a paixão.
 
Mas sempre que não me apetecem palavras, os sonhos extinguem-se no impedimento de falar.
 
 
Setúbal
Fotografia de Jorge Soares
tags: ,

9 comentários:
De GMV a 30 de Janeiro de 2009 às 21:16
Mesmo quando não te apetecem palavras, elas são mais fortes e aí estão... na força da sua vontade!

Beijo meu


De Paola a 30 de Janeiro de 2009 às 21:31
Eu desejei-te um admirável fim-de-semana?
Se não, o culpado foi Morfeu.

Beijos abraçados.


De jabeiteslp a 30 de Janeiro de 2009 às 21:48


até um momento é
seja de solidão ou simples olhar
o tanto de um sentimento
o tanto
o tanto do mundo de um fragmento

e penso que por extinguir

jocas da Covilhã
e essa foto fez-me lembrar aquela canção-
"o passarinho cantava
às tantas da madrugada" etc..
tu vê lá....
bom e grande fim de semana


De Paola a 30 de Janeiro de 2009 às 22:37
Não está em mim corrigir o mundo... continuo a sonhar. Só que para sonhar preciso de palavras e , às vezes, elas extinguem-se...ou então, são os sonhos que se vão na ausência das palavras...

Bejinho
Bom fim-de-semana


De jabeiteslp a 30 de Janeiro de 2009 às 22:57

são fragmentos esfumados
mas vais-me desculpar
podes o mundo não mudar
mas estás a faze-lo
num pouco de ti em exemplo
moldá-lo(s)...

ps. à pouco ao comentar lembrei-me e depois
esqueci-me; encontrei e falei com um frances
num café que imagina, se quer divorciar e o processo arrasta-se em Nimes há já uma dezena de anos...
a causa----as inundações da época, infiltraram-se no local dos processos e o pobre não pode divorciar-se...
é bastante simpatico e vive aqui perto com uma portuguesa há muitos anos, bebemos uns copos e claro , falá-mos french...
beijinho


De Paola a 30 de Janeiro de 2009 às 23:02
Pois é, não somos só nós a meter água...

Jinhos


De jabeiteslp a 30 de Janeiro de 2009 às 23:49

beijinho


De umbreveolhar a 31 de Janeiro de 2009 às 16:55
Olá minha amiga,
Lindo texto. Gostei. Parabéns pela forma como comparaste o dia e a noite. Muito lindo.

Tenho no meu blog um desafio, o qual gostaria que publicasses e transmitisses a outros amigos. Por isso te escolhi.
Um bom fim de semana,
O Amigo,
Carlos Alberto Borges


De Paola a 31 de Janeiro de 2009 às 17:07
Obrigada, Carlos. Desafio feito, desafio aceite!

Beijinhos


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

Gostaria de saber se vcs mandar mudas de margarida...
A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Em destaque no SAPO Blogs
pub