Quarta-feira, 11 de Março de 2009

esconjurar

ou a inaudita estranheza

 

 

 

O que hoje vos vou contar é um facto isolado. Nada que justifique alardes nos jornais e outros que tais. Tudo muito normal nesse recanto da terra.

 

Havia por lá sujeito que nem fazia mal. Apenas um desbocado, por vezes inconveniente. Quem? Quem? Eu! Evidentemente. Não havia predicado que não cantasse e assumisse como seu. O homem não sossegava, tanto era o cumprimento. Apregoava que não queria morrer sem se conhecer de verdade. Irritava aquela interacção entre o sujeito e os predicativos a que se ligava. Não fazia, nem deixava fazer. Mas fazia, dizia ele. Gabarolices, enfim! Havia muito quem se admirasse. O quê!? Este tipo não tem complemento! Não trabalha! Ainda por cima, nem é directo. A quem? Ele não é desses! Não faz nada a ninguém. É um embuste interesseiro. Certo! Não quer ele outra coisa… Caprichoso e determinado, descansa na apatia do outro, o predicativo do sujeito. Avesso ao trabalho, também. Permanecia por ali, era um paspalho e estava sempre a esconjurar. No domingo, fez uma cena desgraçada por causa do vocativo. Nem o conhecia!! Insultou-o inexplicavelmente, conta quem assistiu. Tem razão, Afonso. Ignora-o… é um presunçoso maldizente. Ainda teve o atrevimento de aferrolhar o aposto entre duas atrevidas vírgulas! Que são aqueles pontos que andam sempre de rabo-de-cavalo. Só lhes falta o ganchinho cor-de-rosa… Uma pausa para retomar o fôlego, desaprovava-se. É óbvio que o complemento circunstancial de causa se viu compelido a chamar a polícia. O agente passou-se, que não estava para aquilo, que estava de serviço na outra rua. Foi uma vergonha. De imediato, todos os complementos de companhia se juntaram para o enxovalhar. Que era um agente da passiva ou qualquer coisa do género, que eu não me meto em desordens e muito menos quando envolvem a autoridade. Só que a coisa se complicou quando apareceu um sujeito muito bem trajado, um subentendido que ninguém conhecia. E vá de perguntar pelo complemento determinativo. Que imbecilidade! O homem estava mesmo determinado a descobrir a verdade. E berrava com toda a gente. Quem? Onde? Quando? Ainda por cima, exigia saber qual tinha sido a arma do crime. Através de quê?? Isso é lá pergunta que se faça? Adorei! Ninguém lhe respondeu. E quando o corrompido do complemento de causa esboçou vontade de tudo desvendar levou logo um tabefe de um tipo que avançou do meio da multidão, um tal de instrumento.

Antes que houvesse sangue, coloquei um prolongável ponto final, fugi dali para fora, não fosse sobejar para mim. Garanto que não entendi tamanha barafunda. Agora que o sujeito veio com as tretas do costume, lá isso veio. Mascarado! Os predicativos do sujeito, afiançaram. Qual quê! O homem é um contrabandista praticante, é o que é. E o tempo que eu perdi? Vou amaldiçoá-lo, ai vou, vou.

 

[imagem da internet]

 

 


6 comentários:
De GMV a 12 de Março de 2009 às 18:04
Do melhor... autêntico tratado das funções!!!

Li e reli... na tentativa de clarificar o subententido do sujeito, de distiguir o predicado verbal do nominal... e as circunstâncias?? Todas de contexto obrigatório...

Expectante, aguardo a criatividade de enredo entre coordenadas e subordinadas... adverbiais, claro :))!

Beijo meu



De Paola a 12 de Março de 2009 às 18:31
Vens aqui, à mina casinha, provocar-me... muito bem!!! Pensando melhor... a sugestão da subordinação é de pensar... a coordenação tenho dúvidas... tantas!!!

O sujeito irritou-me!!!!!! E que importância tem o predicado, quando o que importa são os atributos?

Beijo abraçado... a um grandioso fim-de-semana.


De GMV a 12 de Março de 2009 às 20:13
... Não foi uma provocação!!! Pretendia ler mesmo um tratado, com a qualidade deste, às orações...

[será grandioso :)]

Beijos meus e também para ti...


De Paola a 12 de Março de 2009 às 20:24
Só tu para me fazeres rir!!! É mais que provocação! É um verdadeiro desafio!!!!! Mas destes, eu até gosto...


Beijo abraçado ao brilho do teu olhar.


De Maurizio a 12 de Março de 2009 às 23:04
ótimo texto. Muito bom. Gosto do teu blog, é bom vir aqui.
Maurizio


De Paola a 12 de Março de 2009 às 23:16
Agradeço a tua visita, Maurizio. Um bom fim-de-semana.

Beijo.


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...