Quarta-feira, 15 de Abril de 2009

quebrar

no vento desenho a fuga 

 

 


O vento fresco da manhã atravessou desavergonhadamente a janela… guarneceu o meu incauto e desnudado corpo com nítidas asas brancas. Matizou-as com delicados fiozinhos dourados roubados ao Sol… Libertou-me o cabelo das nuvens… A viagem aconteceu moderadamente. Num abraço de brisa fresca, percorremos as ondas do éter no manso fascínio da correria.

 

O vento, na mais límpida desatenção, largou-me num sopro perpendicular ao céu, numa verticalidade violeta. E o vento rodopiou por cima de toda a gente que encontrou. Rodopiaram as folhas e as nuvens. O Sol e as flores. Pedaços de mar e rios de amantes...

 

Mesmo que eu pudesse consertar a minha asa despedaçada, não saberia… o meu grito poisaria na sua ponta dorida e as penas vogariam na correnteza do rio…

 

O vento poisou. Serenou. Lambeu as feridas do meu olhar e pôs-se à janela...

 

 

[imagem da internet]

 

 


12 comentários:
De Rosa Maria a 14 de Abril de 2009 às 22:00
esse vento provocou-me um arrepio da espinha!


De Paola a 14 de Abril de 2009 às 22:08
Não era a intenção... Ele só queria voar!!

Beijo, amiga.


De GMV a 14 de Abril de 2009 às 22:28
Lindo :)), Paola, para variar. Gostei particularmente do "lambeu as feridas do meu olhar"... poético, como só tu.

[e agora vai reler e coloca lá o que falta no início do texto :)))]

Beijo meu, queridíssima amiga minha


De Paola a 14 de Abril de 2009 às 22:40
Depois de me atirar para o chão, só podia mesmo lamber a ferida do meu espanto ()....

Obrigada, meu anjo.

Beijo abraçado.


De jabeiteslp a 14 de Abril de 2009 às 23:21

intimidades de um eterno
paixões redimidas num simples olhar
e brisas de um eterno e puro acalmar...

um bom e bonito sonho pra ti
beijinho


De Paola a 14 de Abril de 2009 às 23:28
"... brisas de de um eterno e puro acalmar...", pois são.. Sabes, depois da tempestade, vem sempre a bonança...

Beijo de boa-noite.


De jabeiteslp a 14 de Abril de 2009 às 23:33

e pra ti tambem..
beijogrande


De Jorge Soares a 15 de Abril de 2009 às 00:40
O vento .... os deixo o vento passar e limito-me a ouvir...a ele e à musica.


Jorge




De Jorge Soares a 15 de Abril de 2009 às 00:41
era .. hoje deixo o vento passar .... atéas palavras ele levou :-)

Beijinho


De Paola a 15 de Abril de 2009 às 14:33
Pois é... o vento leva as palavras... carrega com outras...canta... ri... o vento tem música no olhar!!! Em francês.... Há ventos assim!

Beijinho, amigo.


De Utopia das Palavras a 15 de Abril de 2009 às 19:54
O vento que soprou
quebrando a tua asa
decerto também te amou
quando
serenamente
se acalmou...!

Eu leio-te e fico criança!

Beijo emocionado


De Paola a 15 de Abril de 2009 às 20:37
... o vento soprou ao meu ouvido um segredo sentido. Aprendera a voar na asa de um passarinho. E se mais forte voou foi porque o fizeram assim... que não podia mudar... duas lágrimas rolaram pelo céu...

Beijo doce, amiga.


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...