Sábado, 17 de Outubro de 2009

Singrar [na quilha dos amores naufragados]

 

Jorge Soares

 

 

Permite que me afogue no silêncio das vozes que escuto. De cores desbotadamente esgotadas nos passeios que dou ao domingo. O nevoeiro escondia o rio. Numa amálgama de beijos cobertos de desejo. Desejado, aquele momento. Os barcos sossegavam no rio. Na irritação das súbitas trevas. Escondiam-se os caminhos. Eu ainda não te amava. No amor doido que o rio acarinhou, quando à tardinha nos tocávamos nas dunas. E a areia fugia debaixo dos nossos corpos. E troçávamos. Dos rostos ajuizados estendidos em toalhas turcas. De padrões excessivos. Com brilhos duvidosos. E a Inês perguntava a razão. Porque nos mutilávamos num amor tão profundo. As nossas gargalhadas espalhavam a perenidade dos gestos. As ondas tranquilas do rio riam connosco. E rebolavam na areia.

 

O nevoeiro aferrolhava a outra margem. Pelas ruas, ouviam-se bafos de frio. O cinzento alastrava. Ouviam-se lamentos gelados. A manhã acordara assim. Apenas as árvores choravam a míngua do Sol. Tinha os pés de menina apavorados com o frio. Vamos. E eu ia. Havia que cumprir hábitos prescritos na lei dos pais. Não! Esgotei-me na negação que podia. Não! As lágrimas chegariam depois. Só em caso de necessidade. Ele cedia sempre. Saí da sapataria com uns sapatos novos. Tão frios como os que me trouxeram até ali. Castanhos. De verniz.

 

Na margem do rio, um barco. Barca, corrigiam. Azul. Levou-me para lá. Galgou chuvas e ventos. Trovões que se atravessaram no caminho. Entre o céu e o rio. O motor roncava forças que lhe pareciam falhar. Os homens vociferavam palavras negras. Não os entendia. Olhava os sapatos de oiro escuro. E orgulhava-me com a fivela que os ornava. O rio estendia-se num desatino cinzento-escuro. O céu desacertava-se na cor. Somente o barco singrava na senda do azul.

 

Ontem, meu amor, quando tornámos os dois, o azul era também do rio. E do céu. E, ainda hoje, me lembro do verde dos teus olhos. Sempre que me agasalho na abundância daquelas águas.

 

 


Escrito por Paola às 15:58
Link do post | Adicionar aos favoritos
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape "Douce l'éternité qui coule des fontaines/ Au printemps quand le vent dissipe les brouillards/ Douce la porte ouverte à l'ombre du grand chêne/ Et douce son odeur dans la soie d'un foulard."

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Locations of visitors to this page

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...