Domingo, 25 de Outubro de 2009

correr [no serenar do rio]

 

fotografia de Jorge Soares

 

 

 

Lá em baixo, o rio corre na frustração de um cuidado. Um afecto pilhado nas margens desbainhadas. Mutilado. Desapertado num gesto que exige quatro braços. De tantos que ele tem. Não tem. Todos correm na esquina do vulto. Envolto nas luzes mortiças da cidade, o rio acontece. Num passo lento. No silêncio da noite que começa a ficar. Tão quieto na ira insurreição das águas. Tão longe daqui. Vai na inclinação de mim. Rente às claridades macilentas do lugar.

Há peixes no rio. Eu sei-os de cor sem lhes saber o nome. São peixes. Os pescadores estão a dormir. Porventura. Cansados de fainas inglórias. E que querias que houvesse no rio? A água está parada. Há sombras empoladas na minha pele. É tão tarde, já. E eu não sei o nome dos peixes. Nem dos pescadores. Uma ponte. Mais longe ainda. Brilha mais que o rio. No profissionalismo da sua competência, abraça as margens. Adama-se num beijo aguado. Os carros vão apressados. Não contemplam o rio. Esquecem as margens na fome da chegada. Apenas vão. E vêm. Na partilha de camadas de carregos.

Lá em baixo, está o rio. Uma ponte mais longe ainda. E há peixes que pastam restos do dia. Que se esgota no fogo que queima o horizonte. Eu olho a ponte no prolongamento do rio. Num abraço profundo entre o céu e a terra. 
Quando me ponho contemplar, vejo para além do rio... Os ecos que ele me entrega, sustentam a sede que alaga as margens que vejo daqui. Sempre que olho o rio, intervém uma distância chorada. Por isso, arrumo o horizonte no meu colo.
 

 


3 comentários:
De Graça a 25 de Outubro de 2009 às 20:49
Perco-me nestas tuas descrições, narradas com o sentimento, disfarçado de imagens.


Quando olho o meu rio, quantas vezes me apetece arrumar o horizonte... e chorar. Mas não choro, como sabes... limito-me a ver as águas passar. 


Beijo sereno. Image


De jabeiteslp a 25 de Outubro de 2009 às 21:49
um rio de tempo
o teu rio assim
omnipresente e sem fim

o teu primeiro amor
sempre em flor...

olá
beijinho e boa semanaImage


De umbreveolhar a 1 de Novembro de 2009 às 10:15
Belo texto e a água do rio vai seguindo sempre o seu curso... Gostei muito.
Tens uma surpresa no meu blog. É com gosto que ta ofereço.
Volta sempre que possas,
Carlos Alberto Borges


Comentar post

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

Ontem [Como se fosse já]

Desacerto [desabafo de um...

A outra margem [restauro ...

Oportunidade

Palavras pequeninas [E cr...

O rio

Sardinheiras

No lado contrário

Gola de laço

A conversa das canções [a...

Convento de Jesus [no tem...

Água do rio

Pelo caminho [as cegonhas...

No tacho [da minha infân...

Memória

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...