Sábado, 27 de Junho de 2009

comer [migalhas que desabaram no chão]

 

Cascais

 

Desamparada, a mesa saboreia restos de tudo. Sorve, em inquietos copos do nada, sobras de vinhos espumantes. Deleita-se nos corpos distantes, remotamente saciados. Farta-se com os arautos de migalhas que se viram para o chão.

 

Satisfaz-se nas sobras de nós. No dia em que não chegámos.

 

 


Terça-feira, 23 de Junho de 2009

ver [para lá do caminho que há no mar]

 

 

Quando me sento nesta pedra, começo a olhar. E é assim que vejo que já é manhã. Mas, ao longe, não vejo tudo…

 

 

 


Quarta-feira, 27 de Agosto de 2008

pintar

lágrimas de Agosto

 

 

Agosto despede-se. E chora. Faz birra e esconde o Sol. E as nuvens desenham no céu sonhos coloridos de crianças. Descansos e cansaços saudáveis. Preguiças e bocejos admiráveis.

O mar pinta-se de azul-marinho. Ali escuro. Acolá transparente. Claro. Admirável e barulhento. Picado, afirmavam. Ponteado de cristas brancas. Agitadas e nervosas. Agosto também. Para a semana é Setembro. A praia está só. O mar indómito.A areia penteada. Restos de chapéus de sol olham para o mar e carpem a desgraça. Há muito que Agosto não tinha um dia assim. Os corpos ávidos de sol são fustigados. E escondem-se em panos alugados. O deserto começava a estar ali. O vento guincha fúrias contidas. Hipocrisias caladas. Afectos traídos. Vaidades assumidas. Tão forte e tão frio. E o vento cospe nos rostos a areia que já não quer. E desliza num mar de queixumes, na certeza que as forças da natureza são incontroláveis.

 

E o vento bate à porta do meu sossego. Vai-te daqui, ordenou descontrolado. Não entendi a razão. Insurgi-me com os modos. Não grites comigo, disse com autoridade. E o vento lastimava que assim tivesse acontecido. E sussurrou-me sem alarido que não estava a gritar. Foi só um guincho. De uma mão cheia de areia.

 

 

 [fotografia de Paola]

 


Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

comer [migalhas que desab...

ver [para lá do caminho q...

pintar

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...