Sexta-feira, 19 de Setembro de 2008

calar

Salvador Dalí  A persistência da Memória

 

atropelos sem memória

 

Shiu! Da minha boca jorram descansos hesitantes. Usurpados e clandestinos. Dos meus lábios não escorrem palavras azedas e desconfiadas. Shiu! Oiço uivos de gente assustada. Melopeias atrapalhadas na toada dos caminhos. Andamentos vertiginosos. Shiu! E lá ao fundo, um pássaro executa primorosamente o adágio da manhã. Engulo a tentação de respirar. E do pátio regressam vozes aflautadas. Euforias guinchadas. Abraços perplexos. Bocas escancaradas vertem pedaços de mar e de sol. De ócios enérgicos. E olhos suspensos colam-se às janelas. Shiu! Escuto portas aferrolhadas que se desfecham.  Chaves que tilintam cuidados de última hora. Sorvo ânsias de falar. Segredo salvações, no intervalo, empoleiradas ao portão. Shiu! As vozes passeiam felinas no corredor. Atropelos cinzentos, mesclados de cores do Verão. Desenham-se escoltas no parapeito da janela. Shiuuuuuuu! Estou oculta. Ninguém sabe que estou acantonada, ali! Não quero ser tela surrealista. Representação irracional, longe do mundo real. Shiu! Vejo e escuto. Obsessões humanas donde escorre a passagem do tempo e da memória. Da memória que se esgota. Do tempo que tem olhos. Não sei se vê. Shiu! Estou refém de mim. Aqui! Com recordações. Sem elas, não há expectativas. Porém, o tempo desvirtua-se. E cala-se, também. Flacidamente. Como os relógios. Shiu! Estou sentada. Shiu!

 

Fotografia da Internet

 


Quinta-feira, 21 de Agosto de 2008

galopar

 sem tempo

 

 

Perguntei ao terceiro para onde estava a olhar. Não me respondeu, o sabido. Disse-me para o segundo questionar. Foi isso que fiz. Diz-me, que vês tu? Retorquiu em silêncio que nada tinha a declarar. Que o primeiro deveria interpelar. Por uma questão de hierarquia. Mais nada diria. Já agastada com a história, lá tornei a pedir. Descreve com detalhe o que estás a observar. E num suave relincho, o equídeo foi explicando que o tempo se estava a esfumar. Todavia, estás a olhar! Insisti. Sim. Mas olho e coisa nenhuma consigo agarrar. E tanto para galopar até chegar ao mar! Descobre tu o que estamos a contemplar. Desafiou o esplêndido quadrúpede. E os três continuaram a olhar.

 

 

Fotografia de João Palmela


Domingo, 11 de Maio de 2008

ouvir

mãospelos poetas - não ouvi o vento

 

Hoje é domingo e eu não saí de mãos dadas com ninguém. Nem no jardim, nem à beira-mar, nem no campo, nem ao luar. Não vi as estrelas. Não ouvi o vento. Não atravessei o deserto. A estrada era longa e tinha portagem. Simplesmente porque não me afastei do presente...

 

 

Mãos dadas

 

Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considere a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.
Não serei o cantor de uma mulher, de uma história.
Não direi suspiros ao anoitecer, a paisagem vista na janela.
Não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida.
Não fugirei para ilhas nem serei raptado por serafins.
O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes,
a vida presente.

 

 

Carlos Drummond de Andrade

 

Estou: Admirada!

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

calar

galopar

ouvir

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...