Quinta-feira, 29 de Maio de 2008

palavra de aluno

 

p  Hoje apetece-me subir ao monte e explicar ao céu que a terra não é redonda. Que os rios não correm para o mar. Que o Sado navega ao contrário. E não disse nada a ninguém. Que amanhã é já hoje. Que ontem é passado. Que as raivas se abraçam todos os dias. E finge-se a paz. Que o meu nome não é o meu nome. Porque odeio possessivos. Que o vento é apenas o vento. Não sabe o que faz, o tonto. Que os poetas são enganosos. Eles roubam-me as palavras. Aquelas que eu quero, e sei, para narrar emoções. Ocultam-nas para que eu não as arruíne com admiração e amor. E entoam sentimentos mascarados de engano. Disfarçam-se e querem que eu finja também. Inventam situações para camuflar as palavras, os poetas. Jogam um jogo que não sei jogar. E as palavras escondem-se e mostram-se e calam-se e comunicam e dizem-nos. Os poetas sabem o léxico todo. Sinónimos e contrários. E querem mais. Inventam palavras que emudecem as minhas. O mago da palavra burila-a. Como se fosse de cristal. Tira-lhe a luz. Extrai-lhe as impurezas. Cura-lhe os males. Copia-lhe a beleza. O poeta lança as sortes. Invoca os deuses e as forças da natureza.

 

No monte, oiço a musa do poeta. Que escreve poemas. Ao som da lira...

 

O meu gáudio advém do facto de eles se traírem. Baralham o esconder com o mostrar. Só para que eu perca o jogo. E me desnorteie na discórdia de sentidos. E brincam comigo para me deslumbrar. No desacordo de opiniões. Na subjectividade dos olhares. O poeta baralha o que quer mostrar escondendo. O poeta trabalha o mostrar e o baralhar para não ter que dizer o que quer esconder.

 

Mas não posso! Não sei trepar.

 

 

Nota - Hoje, os meus alunos viram assim os poetas. Este texto é quase só deles…

 

 

(imagem de www.aleac.ac.gov.br/.../stories/poesia_25.jpg )

Estou: admirada

Segunda-feira, 26 de Maio de 2008

pelos poetas - definições arrojadas

 

ler Afinal de contas, ler faz muito mal às pessoas: acorda-as para realidades impossíveis, tornando-as incapazes de suportar o mundo insosso e ordinário em que vivem.

 

 

Pedi, hoje, aos meus alunos que falassem de poetas. Isso mesmo, “O poeta é...”. A intenção era começar pelo autor para chegar ao poema e à poesia. A tarefa não foi, de início, bem aceite. É que os meus alunos aborrecem-se com a escrita. E enfastiam-se a pensar. É tudo uma canseira. Nada melhor, dizem eles, do que o professor ditar apontamentos. Fantástico mesmo é uma ficha com tudo escrito. Assim como uma lata de salsichas para cachorros-quentes. Com abertura fácil. Tem sempre a enorme vantagem de dispensar o abre-latas, instrumento obsoleto que só complica o processo. Basta abrir. Pensar é que não. Não é que a culpa seja deles. Até penso que não! Mas como a culpa não morre solteira, alguém tem que assumir este pântano de facilidades, de aberturas fáceis em que os nossos jovens se enlatam diariamente. Essa coisa de estar sempre a culpar o sistema já irrita. Particularmente, porque não estou a falar de futebol. Desculpem, mas não consigo ver nas pernas e nos pés dos meus alunos dribles espantosos e muito menos uma jogada estudada. Também nenhum deles se chama Ronaldo ou Luís. Podem sempre mudar, lá isso podem.Todos acreditam nas suas potencialidades. Todos se vêem ases da bola. Todos fantasiam um futuro jogado num relvado verde, com muita assistência e com contratos de milhões. Porque é essa a realidade com que se deparam todos os dias. Na televisão, nos jornais, nas revistas... os craques da bola são sempre a primeira página. Para eles a luz da ribalta. São as vidas caras, as caras da vida deste país que nutrem os sonhos dos mais jovens numa verdadeira euforia à inglesa. Mas muitos ainda não olharam para os seus pés. De barro, em muitos casos.

 

 

Nada contra, até gosto de futebol. O problema está na perda da consciência da vil realidade. E é neste mundo de facilidades que a maioria dos nossos jovens vive. Assim, alienados. Tal como o país. Acreditou que era europeu. Bastou-lhe assinar um tratado para se sentir espanhol, sueco ou finlandês. Puro engano. Por muito que isso nos custe, Portugal apenas é, cada vez mais, europeu por casualidade geográfica e a sua alma erra por aí, apostada na imitação de modelos desconformes e incompatíveis com vontades batalhadas há séculos. É este querer reproduzir os outros que me aborrece. Talvez seja por isso que detesto imitações e que elejo o slogan que repete, sem que seja ouvido por quem de direito, que o nacional é bom. Deixem a Finlândia para os finlandeses. E já agora, a bola para o Ronaldo.

 

 

E a poesia é dos poetas que não são passíveis de cópia. E não ter noção que o plágio é um crime que lesa os direitos de autor é coisa feia. Não concordo com a teoria do elogio. Que se copia para engrandecer o copiado. Tretas! Ideias roubadas, são ideias roubadas ponto final. Venham donde vieram. Do Chile ou da Finlândia. De França menos mal. Gosto tanto de acreditar que os bebés chegam no bico das cegonhas... Apesar de nunca ter percebido se falavam a língua de Panoramix. Bolas! Não me tirem isto também!

 

 

E lá foram saindo algumas definições por bocas sem hábitos poéticos. O poeta é um romântico. Um sonhador. Um inventor de palavras. Um fingidor. Um trapaceiro da gramática. Um mentiroso. É quem escreve poesia. Todos explicavam as suas crenças numa língua feita de enormes imperfeições. E continuaram. Um poeta é um sentimentalista. Um criativo. Um poeta é aquele que nos faz chorar. E rir, acrescentou alguém. Eu fui dizendo que sim. Aprimorando as frases, desfazendo equívocos.

 

 

Um dedo levantou-se de repentinamente. Como que animado por uma qualquer ideia brilhante, ergueu-se expedito e determinado a ser atendido. Mal o vi, disse-lhe que sim.

 

 

- Um poeta é um mágico! – Afirmou convincentemente.

 

- Porquê? – Perguntei.

 

- Ora, porque esconde, mostra e baralha as palavras. - Explicou.

 

 

E, nesta aula, ficou acordado, por unanimidade, que um poeta é um ilusionista de palavras.

 

 

Porque

 

“Ser poeta não é uma ambição minha. /É a minha maneira de estar sozinho.”

 

                                                                                                                              (Alberto Caeiro)

 


 (imagem de luradoslivros.files.wordpress.com/)

Estou: admirada

Sexta-feira, 25 de Abril de 2008

da poesia - conselhos



Comunicado


Na frente ocidental nada de novo.

O povo
Continua a resistir.
Sem ninguém que lhe valha,
Geme e trabalha
Até cair.


    Miguel Torga

 

 

Ouvir um bom conselho é bom!

 

Estou: Admirada!
tags:

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. [Fernando Pessoa]

pontos recentes

palavra de aluno

pelos poetas - definições...

da poesia - conselhos

RSS

outros pontos

Admiro-me... só por olhar!

Pesquisar neste blog

 

Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


SAPO Blogs

últimos comentários

A "fonte" é dada a narrativas extraordinárias...
Pois é...
Sabes uma coisa "pequenina"? Continuas a escrever ...
Por vezes, é assim...
Escrita poética Gostei.
Pois, sabe bem ler as tuas palavras... saudade.
Que lindo!! Como sempre, uma escrita deliciosa...U...
Bela e feliz noite de Natal Bonita
Pena que um piropo teu...não seja um bom diaaqui ...